Coisas de Vinho [tertúlia, o vinho e tudo à volta]

O vinho ao fim da tarde, com Vanessa Scnhitzer, estudante de PhD na Universidade de Évora.
Provaremos Courela da Torre da Agrovinaz.
Depois do dia de trabalho venha passar um bom bocado, traga os seus amigos.

Estrela d’ Ouro (no centro UNESCO da cidade de Évora) será o palco para “o vinho ao fim da tarde”.

Herdade das Mouras, Herdade das Mouras de Arraiolos, 100% Syrah, Alentejo, 2017

Apresentamos mais uma colheita do Syrah Herdade das Mouras, desta vez do ano de 2017!
As notas de prova dizem que é “um Syrah de cor vermelho rubi. O aroma é de compota de frutas silvestres e especiarias. O paladar é encorpado e com final de boca elegante.” O consumo pode ser imediato ou durante os próximos 5 anos. A graduação alcoólica é de 13,5% e o enólogo de serviço é Jaime Quendera, homem com vasta experiência no mundo dos vinhos e muito especificamente no mundo dos Syrah.

O projecto Adega das Mouras começou no ano de 2000. A herdade tem na totalidade mais de 300 hectares, estando uma grande parte ocupada com vinha. A herdade tem um verdadeiro mar de vinhas com mais de 226 hectares, sendo uma das três maiores vinhas contínuas da Europa, que ficou completa entre 2004/2005. As cepas mais velhas são de 2002, ano em que se começou a plantar a vinha. Entre 2000 e 2002 arrancou-se vinha para produção de uva de mesa que já lá existia e estudou-se o terroir específico da Adega das Mouras , de forma a preparar-se o solo para plantação de vinho e decidir-se as castas indicadas. A Adega das Mouras de Arraiolos é um projecto empresarial privado. Localizada no município de Arraiolos, histórica Vila do Alentejo, conhecida pela sua tradição secular de fabrico de tapetes bordados à mão, com o mesmo nome da terra, a Herdade das Mouras de Arraiolos é um testemunho vivo de uma nova geração de produtores que enriquece as mais genuínas tradições.

A aposta vai para a venda em quantidade nas grandes superfícies, que é onde este syrah pode ser encontrado, não sendo por isso de surpreender que a adega tenha sido projectada, precisamente antes da vindima deste ano, para ter uma capacidade de produção de perto de 3 milhões de litros e de armazenamento cerca de 5 milhões.

O escritor Lord Byron escreveu:
“O vinho consola os tristes, rejuvenesce os velhos, inspira os jovens, alivia os deprimidos do peso das suas preocupações.”
Como temos andado deprimido com o país onde vivemos vinguemo-nos com este Syrah!
O Syrah da Herdade das Mouras é um Syrah novo, não muito complexo, fresco, para um tinto, e com uma relação qualidade/preço muito apreciável.
Está mais uma vez aprovado!

 

Classificação: 16/20                                                          Preço: 2,49€

Aldeias de Juromenha, Herdade das Aldeias, 100% Syrah, Alentejo, 2014

Muito pouco tempo após termos feito a homenagem a António Saramago na prova cega dos melhores Syrah portugueses de 2017 eis que chega ao mercado o novo Aldeias de Juromenha de 2014, e vem na sequência das anteriores colheitas ou não fosse um Syrah de Saramago! Apesar de mestre António já não fazer parte dos quadros da Herdade das Aldeias desde a ponta final do ano passado ainda temos esta colheita da sua responsabilidade e ainda bem, dizemos nós!

É um Syrah de “cor retinto, aroma frutos vermelhos e compota, bons taninos, volumoso, equilibrado com boa acidez que lhe permite ter longevidade.” O Syrah da Herdade das Aldeias de Juromenha é, já o dissemos, todo comercializado em Portugal. O facto de ser reserva significa neste caso que tem dez meses de estágio em barricas de carvalho francês e americano, e tem uma graduação alcoólica de 15%.

A Herdade das Aldeias é uma empresa agrícola situada a cerca de 15km da Cidade de Elvas e junto da Vila de Juromenha com vista para o Rio Guadiana de belíssima paisagem. Está inserida numa zona histórica com grande tradição na arte de fazer vinho. Este projecto em particular está em desenvolvimento desde 1986. A adega está rodeada por 70 hectares de vinha própria. Este sistema promove um aumento na eficiência na vindima, uma vez que reduz o tempo desde a colheita até ao processamento das uvas. O clima é caracterizado por uma Primavera e Verão excessivamente quentes e secos. A exposição solar regista também valores bastante altos, em particular nas semanas anteriores à vindima, condições que contribuem para uma perfeita maturação das uvas. De facto as condições são extremamente favoráveis à síntese e acumulação de açucares e concentração de aromas e cor na película da uva. A bacia hidrográfica é dominada pelo Rio Guadiana e o tipo de solo é predominantemente xistoso.

A produção actual é de cerca de meio milhão de litros por ano, tendo uma capacidade de armazenamento de 600.000 litros.Todos os processos desde a vinificação até ao engarrafamento são realizados nas instalações da adega. O preço em supermercado sofreu um aumento de um euro e meio mas que se percebe perfeitamente quando temos um Syrah desta qualidade!

O desportista Miguel Torres diz que “Qualquer homem inteligente pede um Syrah que agrada às mulheres!”
Esse problema para nós está automaticamente resolvido quando temos à disposição o Syrah da Herdade das Aldeias de Juromenha!

 

Classificação: 18/20                                                             Preço: 6,49€

JAAP Rosé, Quinta-Rosa, 100% Syrah, Algarve, 2017

JAAP é um produtor biológico localizado em Silves, no Algarve.
A Quinta chama-se Quinta-Rosa e trata-se de um pequeno produtor, com apenas 3.3ha de vinha, em modo biológico.
Em 2008 e 2009 foram plantados os 2ha iniciais, e em 2013 foram plantados mais 1.3ha. Nas tintas, temos as castas Syrah, naturalmente, Cabernet Sauvignon, Touriga Nacional, Aragonez, Merlot e Trincadeira. Nas brancas, apenas Chardonnay.
As primeiras colheitas sairam em 2011, mas sem certificação. “Oficialmente”, isto é, certificados, apenas desde 2012, mas com uma grande variedade de tintos. Actualmente, também têm rosé e um branco.
É possível visitar o produtor, ver as vinhas e provar e adquirir os seus vinhos. Os preços são bastante em conta e também têm produção local de azeite, compotas e licores.
O JAAP branco 2014 é um monocasta Chardonnay. Perfil diferente do habitual, pouco frutado, sugestões de pêra. Um vinho com pouca frescura, ligeiramente rústico, mas muito acessível. Nos tintos há um grande leque de opções. Temos os blend formados por Syrah, Touriga Nacional + Syrah, Mertlot e o Aragonês. São tintos que reflectem o calor da região, com fruta madura, baixa acidez, encorpados. Não esperem vinhos excepcionais, mas esperem vinhos genuínos, macios, fáceis de beber e agradáveis.
Um produtor recente, que exporta quase toda a sua produção, e que está em processo de “aprendizagem”. Mais um produtor “bio” no Algarve, mais um produtor “alternativo”, longe dos vinhos massificados.

Os vinhos da JAAP são o resultado da iniciativa de um empresário holandês que, em 1998, decidiu abraçar o desafio de se dedicar à viticultura nesta região.
Jaap Honekamp é proveniente de Amesterdão e sabia que, na altura, o Algarve não era das regiões mais prestigiadas em matéria de vinhos. Ainda assim, fechou a sua empresa de construção civil para se tornar produtor de vinhos na região. A adaptação levou o seu tempo até que, em 2012, conseguiu registar oficialmente o seu produto na CVA (Comissão Vitivinícola do Algarve). Refira-se que desde 2015 a JAAP está registada como tendo vinha e vinhos biológicos pela SATIVA.
Jaap Honekamp produz então Vinho Regional do Algarve, com a particularidade de fazer vinho de agricultura biológica. A sua quinta, em Silves, tem três hectares e meio de vinha sem produtos químicos, das quais resultam vinhos puros, tratados de forma tradicional e sem adições. São cultivadas oito castas de uva vermelha e uma casta de uva branca, a partir da qual é feito um Chardonnay cheio, fresco e frutado.

O médico Dr. Weissebach disse:
“O Vinho é para o homem que dele faça uso moderado, um estimulante do apetite, um excelente auxiliar do seu estômago no trabalho e digestão, um gerador de bem-estar, um generoso dador de alegria.”
Os vinhos biológicos JAAP estão aí para quem os quiser provar e beber agora que estamos na primavera e o tempo está a começar a mudar!

 

Classificação: 15/20                                                             Preço: 7,95€

Monte do Roseiral, Reserva, 100% Syrah, Lisboa, 2015

Estamos perante a segunda colheita deste Syrah de Lisboa, Monte do Roseiral de seu nome, reserva de 2015 e, como nós preferimos, a 100% da nossa casta de eleição.
Estamos em Bucelas, região vitivinícola bem mais conhecida por outro tipo de vinhos. Mas a estrela aqui e agora é este Syrah, cuja primeira colheita foi do ano de 2012 como demos conta aqui. O processo deu-se a partir da fermentação em cubas de inox com temperatura controlada a 28ºC e breve estágio em madeira. O enólogo foi Carlos Canário.

As notas de prova deste Syrah apontam “uma cor granada concentrada com um aroma intenso a cereja e especiarias com os taninos bem integrados. O paladar mostra um corpo cheio, aveludado com final longo e persistente.” Tem uma graduação alcoólica de 14%. Em termos de conservação as garrafas devem estar deitadas em local arejado e escuro, entre 12 e 13ºC e 60% de humidade relativa. O consumo pode ser imediato ou nos próximos oito anos. Diz-nos o produtor que este Syrah deve ser servido a uma temperatura de 15ºC, e é ideal com pratos de carne vermelha, caça, assados no forno, queijos fortes e Foie gras.

As informações que conseguimos reunir são escassas mas dizem-nos que este Reserva só será produzido apenas nos melhores anos, a partir de uvas da casta seleccionadas, de vinhas plantadas em encostas suaves e soalheiras, em solo argilo-calcário e beneficiando da influência atlântica. Com surge de um curto estágio em madeira, é um vinho de charme bastante equilibrado. E a propósito da módica informação disponível nos canais habituais sobre esta herdade e respectiva produção, já referimos, lembramo-nos daquele escritor que dizia “Os homens são como o vinho: todos começam como uvas. Cabe às mulheres amassá-los, pisá-los e repisá-los e deixar que descansem até que amadureçam. As mulheres também são como o vinho: com o passar dos anos umas refinam o sabor, outras azedam. As que azedam é por falta de boa rolha.”
Bebamos pois este nosso Syrah do Monte do Roseiral, que certamente muito esclarecimento haveremos de encontrar por entre os seus eflúvios subtis!

 

Classificação: 15/20                                                                Preço: 7,50€

Investigadores desenvolvem técnica para medir os eflúvios do Syrah

Exactamente como está no título, com o objectivo de melhorar a qualidade e não estar sujeito a factores subjectivos.

A técnica foi desenvolvida por Argentinos e Espanhóis, tendo sido criado um método para detectar a concentração de uma conjunto de moléculas voláteis, as pirazinas, na bebida que fornecem uma série de aromas apreciados pelos consumidores e considerados, portanto, de qualidade, procedimento que não dura mais que uma hora.

As moléculas em causa contribuem para o aroma vegetal em algumas variedades de uvas, onde influenciam a qualidade do néctar elaborado com elas, definindo critérios de maior ou menor qualidade por provadores, sommeliers e consumidores em geral.

A principal vantagem desta técnica é que além de eliminar a subjectividade, como já dissemos, da degustação humana, permite detectar esses aromas em volumes muito pequenos de liquido, mesmo em quantidades moleculares ínfimas.

Chegando esta técnica a Portugal, podemos esperar que o melhor Syrah do Mundo ainda fique melhor!