Ermelinda Freitas, 100% Syrah, Casa Ermelinda Freitas, Península de Setúbal, 2012

ermelinda_garrafa

Na viagem que empreendemos pelo Portugal dos syrah, chegamos desta vez à península de Setúbal, e mais precisamente à casa Ermelinda Freitas, que desde 2004 nos presenteia regularmente com um syrah.

Não é preciso falar muito da casa Ermelinda Freitas, sobejamente conhecida no mundo dos vinhos, empresa familiar localizada em Fernando Pó, no concelho de Palmela. Nasceu em 1920 pelas mãos de Deonilde Freitas e neste momento, com Leonor Freitas, vai já na sua quarta geração. Esta assumiu o comando da sua mãe, que deu o nome aos vinhos da casa. Foi com a actual proprietária que surgiu o grande impulso dado à empresa pois foi ela que ampliou as vinhas que herdou, de sessenta hectares para os actuais trezentos e quinze hectares. A quinta inicialmente só tinha duas castas, Castelão (conhecida na península de Setúbal por piriquita – que acabou por dar o nome a um vinho da empresa concorrente, a José Maria da Fonseca) e a Fernão Pires, branca, também muito usada na região. Foi Leonor Freitas que introduziu todas as castas que a Casa Ermelinda tem actualmente e naturalmente o syrah.

E é por isso que se justifica este post! Falamos da safra de 2012. Que foi a primeira e que aconteceu quase como experiência em 2004.

Mas foi com o syrah de 2005 que, claro está, tudo mudou. Numa prova cega, em 2008, ganhou o primeiro prémio num concurso internacional – o Vinalies Internationales – onde estiveram presentes mais de três mil vinhos de trinta e seis países. Foi indiscutivelmente um marco superior, porque nunca um vinho da península de Setúbal tinha ganho um primeiro prémio num concurso internacional. Foi assim um syrah que deu a projecção nacional e internacional que a Casa Ermelinda Freitas nunca tinha tido. Mas daí à imprensa noticiar que se tratava do melhor vinho tinto do mundo vai uma imensa distância, nem era esse o propósito do concurso. Mas por falta de informação ou, podemos mesmo dizer, por ignorância, quando a notícia do prémio chegou a Portugal todos começaram a dizer o que não era rigoroso dizer, porque se tratava dum prémio num concurso internacional entre outros concursos internacionais. A Ermelinda aproveitou a deixa e a publicidade gratuita, apesar de falsa. A especulação começou e  continua até aos dias de hoje.
A safra de 2005 tinha tido tiragem de onze mil garrafas, uma boa produção para o meio vinícola português, mas largamente  insuficiente para um vinho que esteve nas bocas do mundo.
A esse syrah damos a nota dezoito em vinte. Os anos seguintes merecem-nos a nota de dezasseis.

De referir que nas três gerações anteriores os vinhos não eram engarrafados e não tinham marca própria. Eram vendidos a granel e com uma qualidade que muitas vezes deixava a desejar.

Sob a liderança da quarta geração tudo mudou! Percebe-se que Leonor Freitas não estava satisfeita com a herança recebida e munida de uma equipa onde se destaca o enólogo Jaime Quendera, mudou todo o “savoir faire” da Casa.

O nosso syrah, com 14% de teor alcoólico, teve fermentação em cubas de inox de temperatura controlada. Estágio de doze meses em meias pipas de carvalho americano e francês. Isto deu origem a um vinho de cor granada, concentrado. Aroma confitado de fruta preta madura, com alguma especiaria. Na boca é cheio, um tanto ou quanto aveludado com taninos presentes, como não podia deixar de ser – característica da casta. O final é longo e persistente.

Já Plínio dizia, no princípio da nossa era, e com razão, que “o vinho é o sangue da terra”.

O prémio internacional referido serve para explicar porque é que uma casa vinícola, também de Setúbal, concorrente da Ermelinda, desiste do syrah que vinha a produzir desde 1999. Trata-se do “Só” syrah, da Bacalhoa, que teve o seu fim com a safra de 2008. Situação que lamentamos visto que era um syrah de grande qualidade, apesar de ter preço mais elevado em relação ao syrah da Ermelinda Freitas, que  acabou por ganhar o confronto entre os dois syrah mais emblemáticos da península de Setúbal!

Classificação: 16/20                            Preço: 8,99€

ficha_tecnica_syrah_2011


One thought on “Ermelinda Freitas, 100% Syrah, Casa Ermelinda Freitas, Península de Setúbal, 2012

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *