Daily Archives: 02/12/2014

Quinta das Camélias, 100% Syrah, Jaime de Almeida Barros, LDA, Terras do Dão, 2010

camelias_garrafa

Hoje vamos apresentar um syrah de que nos podemos orgulhar de forma muito especial. Trata-se do syrah Quinta das Camélias. Fica desde já dito que se trata do único syrah do Dão. Daí merecer só por este facto um carinho e uma atenção diferente.

A Quinta das Camélias situa-se na região demarcada do Dão, na aldeia de Sabugosa, a catorze quilómetros de Viseu. É uma propriedade com vinte e três hectares dos quais quinze estão ocupados com vinha. Foi adquirida em 2002 por Jaime de Almeida Barros, (que deve o gosto pela vinha ao pai, que também tinha sido produtor) tendo sido necessário proceder à reconversão total das vinhas existentes, devido à situação de semi-abandono em que a Quinta se encontrava.

Em conversa com o proprietário ficamos a saber que a Quinta inicialmente tinha somente oito hectares e meio e foi aumentando sucessivamente para actuais vinte e três com a compra de treze parcelas de terreno.

Uma das perguntas mais importantes que tínhamos a fazer a Jaime de Almeida Barros era saber o que o tinha levado a plantar syrah no Dão, quando nunca ninguém o tinha feito. A resposta foi simples e cristalina: “Tentativa de fazer vinhos diferentes.” E não há dúvida que o syrah da Quinta das Camélias é diferente de todos os vinhos que se produzem nesta região demarcada.

Mas é verdade, e é preciso dizê-lo, houve muito boa gente que logo teceu críticas fortes ao facto da casta syrah nada ter a ver com o Dão. A isso Jaime de Almeida Barros respondia que o mais importante era a produção de bons vinhos, e que fossem ao encontro do que o mercado pedia. Ainda não há muito tempo foi esta a resposta que João Paulo Martins, crítico de vinhos bem conhecido do meio vinícola, ouviu do nosso produtor.

camel_1

O encepamento da Quinta é constituído maioritariamente por Touriga –Nacional a sessenta por cento (apesar de ser dominante no Douro e estar distribuída por todo o país ela é originária do Dão) sendo os restantes quarenta por cento constituídos por Alfrocheiro, Tinta-Roriz, Jaen, (outra casta autóctone) e Syrah, que só ocupa dois hectares do total.

Este syrah, com 14,5 % de teor alcoólico, é de cor granada e tons violeta escuro. Segundo o produtor “apresenta aromas de framboesa, groselha, amora, tostado e defumado. Na boca é aveludado, com taninos bem integrados, com boa concentração de fenóis, complexo e encorpado”.

Apesar da Quinta ter começado a sua produção de vinhos em 2005, o primeiro syrah só saiu em 2008 com cerca de quatro mil garrafas. A segunda safra aconteceu em 2009 e esta de que estamos a falar surgiu em 2010, e já teve um total de sete mil garrafas, das quais já só existem entre trezentas quatrocentas, algumas das quais se podem encontrar na Estado d`Alma. O ano de dois mil e onze não viu nenhum syrah por problemas com as uvas.

Brevemente estará no mercado a safra de 2012, a acontecer provavelmente entre o final deste ano e o princípio do próximo, e que terá um total de dez mil garrafas. Pela primeira vez se pondera a possibilidade de levar o syrah a concursos internacionais. A safra de 2013 sairá, se tudo correr bem, lá mais para o fim de 2015. Setenta por cento da produção desde o primeiro ano destina-se ao mercado externo nomeadamente Alemanha, Brasil e Bélgica.

Jaime de Almeida Barros pensa ainda plantar mais vinha devido ao aumento da procura. E isso é óptimo porque parafraseando Miguel de Cervantes: “O syrah que se bebe com medida jamais foi causa de dano algum”.

A aposta do mercado externo está ganha. É preciso ganhar o mercado interno. A Quinta das Camélias está no bom caminho!

Classificação: 16/20                            Preço: 5,72€

back_final