Quinta do Valdoeiro,100% Syrah, Bairrada, 2007

bairrada-quinta-valdoeiro-syrah_f111

Depois do Douro, descemos, e encontramos a Bairrada.

E aqui, na Mealhada, temos o syrah da Quinta do Valdoeiro. Este syrah impressiona pelo que é em si, e também pelo facto de estar implantado numa região, a Bairrada, que tem pouco syrah, logo sem grande relevância em termos desta casta.

_ALC0308

A Quinta do Valdoeiro faz parte duma companhia, a Sociedade Agrícola e Comercial Vinhos Messias, que congrega três quintas. A companhia foi fundada em 1926, por Messias Baptista, que manteve a administração da empresa até 1973. A Administração das Caves Messias é ainda nos dias de hoje assegurada pelos descendentes da família Messias.
Desde a sua fundação que tem produzido e comercializado vinhos das principais regiões demarcadas: Dão, Bairrada, Douro, Vinho Verde, Beiras e Vinho do Porto. A empresa é também reconhecida pela alta qualidade dos seus vinhos Espumantes Naturais e Aguardentes.
A sede da MESSIAS está situada na Mealhada, pequena cidade da região da Bairrada, onde a empresa possui mais de 6.000 metros quadrados de instalações e aproximadamente 160 hectares de vinha, sendo 70 hectares destinados à produção dos vinhos da Quinta do Valdoeiro.

Quinta do Cachão tem as suas encostas adjacentes ao rio Douro, na sub-região do Cima Corgo. A vinha foi plantada pela primeira vez em 1845 pelo Barão do Seixo sendo mais tarde adquirida pela família Afonso Cabral, que por sua vez a vendeu à família Messias no ano de 1956.

A Quinta do Penedo é constituída por uma área de 20 hectares e situa-se no coração da Região Demarcada do Dão, mais precisamente no interior do triângulo clássico Viseu-Nelas-Mangualde. A sua origem como vinha remonta ao ano de 1930, pela mão do General Lobo da Costa, tendo permanecido na família até 1998, ano em que foi adquirida pela família Messias.

_ALC0271

Até que chegamos à Quinta do Valdoeiro, que é uma bem estruturada propriedade agrícola da região vitivinícola da Bairrada. Possui 130 hectares, 70 dos quais plantados com vinha  em solos calcários de baixa fertilidade.
A ligeira ondulação do relevo, as encostas voltadas a sul e nascente, assim com a implantação das castas separadas por talhões, são factores que contribuem para a qualidade das uvas aí produzidas.

E é neste ambiente que se produz o nosso syrah, para além das variedades tintas Touriga-Nacional, Baga, Castelão e Cabernet-Sauvignon. Nas variedades brancas temos o Arinto, Bical, Chardonnay e Cerceal.

Como nos diz o produtor este syrah possui “cor violeta muito intensa. Aroma a frutos, especiarias e chocolate, afinados pela tosta de barrica. Na boca apresenta uma forte estrutura e sedosos taninos, com um sabor potente e fresco. Final muito longo”.

Terá sido por isso que Bossuet diz e nós adaptamos que “O syrah tem o poder de encher a alma de toda a verdade, de todo o saber e filosofia.”

Em conversa com o enólogo, Eng. João Soares, que se percebe, mesmo à distância do fio de telefone, que é um homem de grande disponibilidade e que manteve connosco uma longa conversa, impossível aqui de reproduzir, e isto apesar de ser o enólogo das três quintas das Caves Messias, ficamos a saber que a Quinta do Valdoeiro tem syrah desde 1998, ocupando 3,5 hectares, apesar do monocasta só ter visto a luz do dia em 2001 com 5200 garrafas.

A partir daí foi sempre a crescer em número e qualidade, com pequenas excepções, que não foram notadas porque a exportação subiu de tal modo que certos anos viram a sua produção totalmente dirigida para o mercado externo, como foi o caso de 2008. Os países principais que recebem este syrah são os Estados Unidos, Canadá, Brasil, e, em crescendo, a China.

O actual ano em degustação de 2010 teve 7500 garrafas que estão aí para fazer o deleite de quem puder, queira e souber chegar a elas. O momento alto desta história chegou com o syrah de 2007 (10200 garrafas) que em 2009 ganhou a medalha de ouro no concurso internacional “syrah du monde”. Na minha modesta opinião já o ano de 2005 (10100 garrafas) teria merecido o mesmo prémio! Isto em cuja Casa, nas palavras do seu enólogo: “A intenção não é ser produtor de syrah”.

E o futuro?
O futuro está para já assegurado. O syrah de 2013 foi engarrafado a semana passada e sairá para o mercado nos finais de 2015 ou princípios de 2016.

Se tudo correr bem e como planeado, cá estaremos para o degustar e continuar a falar desta maravilha da Bairrada!

 Classificação: 17/20                            Preço: 13,50€

 

f_t


 

Leave a Reply