Daily Archives: 18/01/2015

Os antioxidantes e o Syrah

antiox

Os antioxidantes têm sido notícia nos últimos anos, com pesquisas continuando a provar os benefícios poderosos destas moléculas protectoras.

Igualmente os antioxidantes do vinho também têm recebido uma grande dose de atenção. Um a dois copos de vinho por dia fortificam o coração, e estudos recentes indicam ainda que pode ajudar a combater o cancro. Mas será que um tipo específico de vinho oferece mais benefícios para a saúde que outros? Qual é o melhor tipo de vinho a beber para aproveitar esses benefícios tão importantes?

Os antioxidantes encontrados no vinho são classificados como polifenóis, flavonóides e não-flavonóides. Entre os mais poderosos desses antioxidantes está o resveratrol, como já tivemos oportunidade de falar aqui, amplamente anunciado como uma substância anti-envelhecimento, só possível de encontrar em dois alimentos, a uva e os amendoins, bem como a quercetina e compostos chamados catequinas. A quercetina mostra a promessa em estudos como um agente contra o cancro e, em geral, estes antioxidantes mostram-se ainda mais poderosos do que as vitaminas A, C e E, as vitaminas antioxidantes mais eficazes. Os antioxidantes do vinho são encontrados na casca da uva. Portanto, os vinhos tintos transportam a maior quantidade destes antioxidantes. Vinhos brancos terão uma concentração muito menor, já que a casca da uva é retirada para criar a cor clara e branca dos vinhos mais leves. O suco de uva também fornece uma dose saudável de tais substâncias. Em geral, quanto mais escuro o vinho tinto, mais concentrado é o teor antioxidante. Outros vinhos de fruta também podem conter antioxidantes, como por exemplo o vinho de romã.

Então, o que fazem exactamente os antioxidantes? Em geral, eles lutam contra os radicais livres, substâncias que contribuem para o colapso das células do corpo ao longo do tempo.

Simplificando, as células do corpo sofrem oxidação, semelhante ao processo que ocorre quando o metal enferruja. Esta oxidação ocorre como um efeito colateral natural quando as células fazem o seu trabalho diário de produção de energia, quando sintetizam os alimentos que comemos.

Os antioxidantes retardam esse processo de oxidação. Da mesma forma, eles podem retardar ou parar os processos que ocorrem dentro das células que podem levar ao cancro. Eles até parecem desacelerar o processo de envelhecimento em geral, ganhando reputação como “fonte da juventude”.

Antioxidantes também ajudam a relaxar os vasos sanguíneos, contribuindo para a saúde cardiovascular em geral, reduzem a coagulação que pode levar a acidentes vasculares cerebrais ou ataques cardíacos, e previnem o chamado colesterol “ruim“. Todas estas funções reduzem o risco de ataque cardíaco e acidente vascular cerebral e evidências adicionais sugerem que eles podem ajudar a combater outros distúrbios relacionados com a idade, tais como demência e doença de Alzheimer.

Alguns dos benefícios de saúde do vinho parecem estar relacionados directamente com o teor de álcool, em vez dos antioxidantes disponíveis. O álcool fornece benefícios cardiovasculares e pode mesmo ajudar a activar a função antioxidante do vinho.

Contudo, isto não significa que mais vinho é melhor. Um único copo de vinho tinto durante o jantar é suficiente para oferecer benefícios de saúde. Muito álcool pode ter efeitos prejudiciais sobre o corpo, incluindo danos no fígado, e álcool nas grávidas, como é óbvio, é muito perigoso para o feto em desenvolvimento.

O resveratrol, essa maravilhosa substância pode ser sintetizada, e em vários países, onde revelou um apreciável sucesso, ela é vendida sob a forma de comprimidos. Mas a posologia não está ainda devidamente esclarecida e, além disso, não há nada melhor do que o natural. O vinho, tal como os amendoins, contém quantidades adaptadas de resveratrol, associadas a outras moléculas que, com ele, se conjugam em perfeito equilíbrio.

O efeito do resveratrol foi também cientificamente comprovado na protecção contra o desenvolvimento de células cancerosas no organismo humano. Os investigadores descobriram que graças ao seu grande poder antioxidante pode inibir o aparecimento e o desenvolvimento dos tumores cancerosos. Sabe-se hoje que esta acção inibidora se deve ao facto de anular o efeito de uma proteína, a NK-K B que protege as células cancerosas e que lhes permite resistirem e sobreviverem à acção da quimioterapia. O resveratrol neutraliza a acção dessa proteína e faz com que os tratamentos quimioterápicos possam ser mais eficazes.

Está provado que o consumo moderado do vinho tinto reduz a incidência dos cancros do tubo digestivo e da boca. Pelo contrário o consumo de licores e de outras bebidas espirituosas aumenta a incidência desses e de outros cancros.

Syrah pode produzir vinhos mais ricos em Resveratrol

Pesquisas feitas no Instituto de Investigação e Formação Agrária e Pesqueira da Andaluzia, em Espanha, obtiveram um vinho com alto conteúdo de resveratrol, após submeter as uvas a irradiação ultravioleta. Segundo o comunicado emitido pelo Instituto, e que se pode encontrar na Food Chemistry durante o processo de elaboração destes vinhos, produziu-se uma extracção de 60% do conteúdo de resveratrol das uvas, durante a fermentação alcoólica. Durante os três anos de pesquisa, foram feitas modificações das técnicas de vinificação tradicional para que fosse obtida uma melhoria na extracção do composto, mantendo-se, naturalmente, as características organolépticas durante todo o processo de vinificação. O trabalho aponta a casta internacional Syrah, assim como a autóctone andaluz Jaén, como matéria prima de excelente qualidade para a elaboração de vinhos tintos enriquecidos.

Citando o seu mestre Sócrates, Platão diz-nos que “O syrah molha e tempera os espíritos e acalma as preocupações da mente… Reaviva as nossas alegrias e é o óleo para a chama da vida que se apaga. Se beber moderadamente em pequenos goles de cada vez, o vinho gotejará nos pulmões como o mais doce orvalho da manhã… Assim, então, o vinho não viola a razão, mas sim nos convida gentilmente a uma agradável alegria.” É isso que temos estado a dizer desde o princípio deste texto.

Finalmente e para concluir uma chamada de atenção. Não se deve consumir vinhos de fraca qualidade! Consuma moderadamente vinhos tintos de boas marcas e de preferência syrah. Os vinhos tintos baratos podem ser vinhos artificiais, fabricados com álcool, corantes e água. São vinhos prejudiciais à saúde! Se só tiver esses disponíveis, então é preferível beber água!