Daily Archives: 10/03/2015

Herdade dos Lagos, Soc. Agrícola Herdade dos Lagos, Lda, 100% Syrah, Alentejo, 2012

garrafa

E voltamos de novo ao Alentejo, sempre com enorme regozijo. Tem mesmo que ser! É que se trata de uma combinação perfeita: Syrah e Alentejo!

Explique-se: os grandes syrah (com excepções, que torna tudo mais “aliciante”) encontram-se aquém e além Tejo. Isto é uma verdade, se não a cem por cento, pelo menos a noventa!

Hoje trazemos ao nosso convívio o syrah da Herdade dos Lagos, concelho de Mértola. É um vinho feito em regime de agricultura biológica. Não tem químicos, nem pesticidas! Trata-se de um vinho regional alentejano, cuja produção foi de 12000 garrafas. “Apresenta cor rubi intensa. Aroma frutado a ameixa madura. Cheio, redondo, complexo, boa acidez, terminando longo.” Em suma, qualidade plena e assegurada!

Foi vinificado pelo processo tradicional de curtimenta em lagares inox com temperaturas de fermentação a cerca de 28ºC. Teve  um estágio em barricas de carvalho francês e americano durante 12 meses. A longevidade prevista é de 8 anos. O blogue do syrah prevê pelo menos 12 anos! Apresenta um teor alcoólico de 14,5 %.

Em conversa telefónica com Carlos Delgado, agrónomo e responsável pela produção da Herdade dos Lagos, e que já tínhamos tido a oportunidade de conhecer o ano passado na Feira dos Vinhos na FIL, em Lisboa, ficamos a saber o historial do syrah na Herdade.

Fizeram-se 6 safras: 2004 e 2005 com 7000 garrafas, 2006 com 24000 garrafas, 2008 com 12000 garrafas, todas do mestre António Saramago. Em 2010 e devido a uma grande encomenda específica para a Alemanha toda a safra foi acondicionada em garrafas de 1,5 litro e de 3 litros. 2700 garrafas da primeira e cerca de um terço da segunda. A presente safra de 2012, com 3500 garrafas é de agricultura biológica (daí a quebra da quantidade) e é do enólogo Carsten Heinemeyer.

Tonkrug-HDL

E agora um pouco de história vinícola local.

A produção agrícola é desenvolvida em 1000 hectares, seguindo os princípios da agricultura biológica certificada, como já referimos, um modelo de negócio baseado na utilização eficiente dos recursos através do uso de energias renováveis e na preservação ativa da natureza. A Herdade dos Lagos pertence à família Zeppenfeld há mais de trinta anos. Ao longo do tempo, a propriedade foi alvo de muitas alterações.

A região do Alentejo está situada no sul de Portugal e era antigamente considerada o celeiro de Portugal,  pelo que a actividade principal da quinta foi sempre a agricultura.

Quando o armador de Bremen Horst Zeppenfeld, na altura capitão, se rendeu a Portugal, tinha já um sonho: cultivar vinhas e olivais. A sua família e o gerente Dietmar Ochsenreiter trabalharam continuamente para a concretização desse sonho.

Actualmente, uma área de 1000 hectares com as suas cinco barragens serve de pastagem a cerca de 1000 ovelhas, mas em primeiro plano está o cultivo da vinha, da oliveira e da alfarroba.

Na família, a filha, Antje Kreikenbaum, assumiu os departamentos de marketing e distribuição dos produtos da Herdade dos Lagos, bem como a responsabilidade de promover novas perspectivas, com o apoio do marido, o arquitecto paisagista Thorsten Kreikenbaum.

A transição para a produção biológica revelou ser um enorme desafio e uma das mais significativas mudanças na Herdade.

lagos_1

Em cerca de 25 hectares crescem as castas Syrah (a estrela internacional), Aragonez (conhecida na Espanha como Tempranillo), Touriga Nacional (uma uva tradicionalmente usada no vinho do Porto) e Alicante Bouschet (do intenso jogo decor).

A diferenciação que resulta na produção de diferentes qualidades de vinho começa na própria vinha. A melhor zona está destinada aos vinhos de Reserva e é também nesta que se verifica uma poda mais intensa. A zona com mais sombra está destinada ao Rosé e ao Blanc de Noir. Dado que a sua colheita é a mais precoce e a que implica menos poda, consegue-se obter um teor de álcool mais baixo e uma boa acidez. As uvas são colhidas à mão nas primeiras horas da manhã e transportadas em frio para a adega.

Nem só de políticas macro-económicas, planos de ajustamento e programas de reformas estruturais, se fazem as relações entre Portugal e Alemanha!

O exemplo está na Herdade dos Lagos, a “meio caminho” entre Beja e Mértola e propriedade de Horst Zappenfeld, empresário alemão com interesses na área do transporte de carga por via marítima, que exporta mais de dois terços da sua produção anual de vinho para terras germânicas.

Cerca de 70% do vinho é vendido para a Alemanha e também para a Suíça. O restante vai para o mercado nacional, onde não se trabalha com as grandes cadeias de supermercados, à excepção do Intermarché, mas há consumidores que adquirem os vinhos e o compram através das garrafeiras e dos restaurantes. Localizada próximo da localidade de Vale de Açor, na freguesia de Alcaria Ruiva, a Herdade dos Lagos perde-se de vista e por lá é possível encontrar gado e olival (80 hectares), além do maior alfarrobal de Portugal (260 hectares) e 25 hectares de vinha e onde trabalham a tempo inteiro doze pessoas.

Em 2011 saíram da herdade perto de 130 mil garrafas, num total de 100 mil litros de vinho, e nos anos seguintes a produção teve valores semelhantes, sendo que cerca de 70% se destina à exportação, sobretudo para a Alemanha e para a Suíça.

A Herdade está também a pensar entrar no Canadá e nos EUA, além de querer reforçar as suas vendas na Europa.

Há um provérbio francês que vem bem agora a propósito e que diz que “na água vemos o próprio rosto reflectido. Mas no vinho, contemplamos o coração do outro.”

Façam o favor de ver o nosso coração:
“Olhe desculpe, importa-se de me trazer mais uma taça de syrah da Herdade dos Lagos?”

Classificação: 17/20                                           Preço: 11,50€