Daily Archives: 26/04/2015

O engarrafamento, um choque que maltrata o vinho!

engarrafar

Nenhum vinho deve ser bebido imediatamente após ter sido engarrafado!
Deve-se  deixá-lo repousar de um a três meses, conforme o tipo e a casta,  para readquirir o equilíbrio.

O engarrafamento, por mais cuidadoso que tenha sido, causa um choque no vinho. A aeração vigorosa atenua momentaneamente o seu frutado e aquilo a que os especialistas chamam o seu buquê. Quando cessa o efeito oxidante do ar, o vinho reencontra o equilíbrio.

O engarrafamento, é uma operação traumática. Dependendo da safra, o vinho deverá de seguida ser colocado em repouso mais ou menos tempo para reencontrar as suas qualidades.

Todos nós já ouvimos o aviso de produtores durante a degustação do seu néctar: “Atenção, o vinho acabou de ser engarrafado” subentendendo-se que não está no seu estado normal. Na verdade, imediatamente após o engarrafamento o vinho sofre o tal choque que pode ser traumático. Chama-se a isso a “doença da garrafa”. Durante este período, a maioria dos vinhos são dificilmente bebíveis e muitas vezes sabem mal.

Esta “indisposição” felizmente é temporária, e os vinhos reencontram o essencial das suas qualidades depois de algumas semanas ou menos, de repouso total.

O engarrafamento ocorre após a elaboração do vinho quando o produtor acredita que o vinho está feito. A operação tem lugar no mês de Novembro para vinhos jovens, no caso francês, por exemplo o beaujolais, e até ao mês de Janeiro para os vinhos rosados a beber rapidamente. Para os tintos vários meses, ou até mesmo anos para os chamados vinhos de guarda.

Muitas vezes, os produtores de vinho fazem várias “actualizações” duma mesma safra. Várias quintas socorrem-se de empresas de engarrafamento que possuem a tecnologia que as pequenas produções não detêm.

O enólogo sabe que é preferível realizar a operação nos dias anticiclónicos pois realizar o engarrafamento num dia de forte depressão, irá provocar no vinho a perda de gás e de aromas.