Daily Archives: 09/05/2015

A questão das rolhas de cortiça!

rolha_1

Este é um tema muito debatido e nós também vamos meter a colherada.

É hora de almoço e, obviamente, estamos a beber um Syrah como parte integrante do repasto. Neste caso trata-se de um Shiraz, como eles dizem, australiano, de 2012, Weighbridge de seu nome. Falamos deste pormenor apenas porque é relevante para o que vamos dizer a seguir, porque como se sabe o Blogue do Syrah é totalmente dedicado aos Syrah portugueses.

Porque a questão que queremos abordar é a seguinte: de facto a garrafa deste Shiraz tem uma tampa de alumínio com rosca, e, como se não bastasse, enroscando ao contrário, muito diferente das nossas habituais e estimadas rolhas de cortiça.

garrafa

No velho e orgulhoso mundo vitivinícola em que Portugal se insere opta-se, e sempre assim se fez, pelas rolhas de cortiça, ao contrário do novo mundo vitivinícola, que seguramente também tem os seus orgulhos, em que predomina a tampa de alumínio com rosca. Quais as vantagens e as desvantagens da utilização de cada sistema? É sobre isso que nos propomos falar. Dito de outro modo…
Qual a melhor maneira de fechar uma garrafa de Syrah, pelo modo tradicional ou pelo modo mais moderno e recente da dita de metal roscado?

Uma batalha surda está a ser travada entre as tradicionais rolhas de cortiça e as cibernéticas tampas de alumínio com rosca. A nova tampa preserva melhor as qualidades do vinho, enquanto que o uso da rolha de cortiça para fechar as garrafas pode não vedar bem, e fazer com que vinhos oxidem. Além disso, se a rolha estiver defeituosa, pode passar o gosto do TCA (Tri-Cloro-Anisol) dela para o vinho.

Há dois lados da moeda a serem analisados. De um lado, a rolha de cortiça que agrega charme e valor ao vinho. Do outro lado, as roscas de alumínio que vedam bem as garrafas de vinho e ainda permitem uma abertura simples, sem uso de um saca-rolhas.

Economicamente, as roscas de alumínio são bem mais baratas que uma rolha convencional. Defensores do novo sistema alegam que as rolhas estão ultrapassadas e que além dos diversos defeitos exigem que o vinho permaneça guardado na posição horizontal, para evitar que as rolhas fiquem ressequidas.

Mas então as rolhas de cortiça estão com os seus dias contados?

Vamos ver os factos. O enófilo Neo Zelandês  Alan Limmer escreveu, em 2005, um artigo para uma revista australiana dedicada à enologia dizendo que as roscas de alumínio podem gerar aromas de enxofre, conhecido como SLO (Sulphur-Like Odour). Se por um lado as roscas parecem uma evolução tecnológica eficaz, cabe também ressaltar que as rolhas de cortiça, por serem mais porosas, permitem uma pequena passagem de oxigênio, o que beneficia muitos vinhos de guarda, resultando numa evolução mais harmoniosa.

Em conclusão, nenhum dos sistemas de fechamento da garrafa é perfeito. Com rolha, o vinho pode adquirir odores de TCA, com roscas de alumínio o vinho pode adquirir odores de SLO.  Estamos no mundo das siglas, sem saída à vista.

As roscas de alumínio podem ser interessantes em vinhos que não suportam a guarda por muito tempo, como vinhos brancos e tintos correntes. A rosca é prática para consumir o vinho em locais que não tenham um saca-rolhas por perto, ou ainda para garrafas pequenas de consumo individual com 375 ml. Mas para vinhos em garrafas de tamanho normal que geralmente são apreciados a longo prazo por um grupo de pessoas, as rolhas não devem ser substituídas pelas roscas, pois parte do glamour existente no acto de servir o vinho será perdido.

Se alguém comprovar que as tampas de rosca são melhores para o vinho do que a rolha, nós como consumidores apoiaremos a mudança. Se isso for só para diminuir custos de produção, só se justificará nos casos anteriormente apresentados.

Resumindo e concluindo em modo prós e contras.

Rolha de cortiça
prós:
mais porosa, permite uma evolução harmoniosa do vinho de guarda
mais elegante ao ser retirada do que as roscas

contras:
mais cara do que as tampas de rosca
pode deixar um odor de TCA no vinho
exige a guarda do vinho em posição horizontal para não ficar ressequida

 

Rosca de alumínio
prós:
bom sistema de vedação, sendo bom para vinhos que não suportam oxidação
muito fácil de se abrir, pois dispensa o uso de saca-rolhas, podendo popularizar o consumo de vinho no dia-a-dia
mais barata para o produtor

contras:
pode deixar um odor de SLO no vinho
indiscutível mau gosto
parecem-se com as tampas de garrafa de refrigerante

Tire você mesmo as conclusões devidas e, se desejar, mande-nos os seus comentários.

Pop, lá saltou mais uma rolha de cortiça de um Syrah… à vossa!