Aldeias de Juromenha, Herdade das Aldeias, 100% Syrah, Alentejo, 2013

Muito provavelmente o Syrah sobre o qual mais temos escrito deverá ter sido este, o Syrah das Aldeias de Juromenha. Então pergunta-se: porquê tão cedo voltar a dar destaque a este Syrah, o único dessa terra cativante que é Elvas?
Simplesmente porque é o melhor de todos eles!
E acreditem, os outros eram muito bons!

Como já se sabe é um Syrah feito por mestre António Saramago. Aliás é o único Syrah que Saramago faz presentemente!
É um Syrah de “cor retinto, aroma frutos vermelhos e compota, bons taninos, volumoso, equilibrado com boa acidez que lhe permite ter longevidade.”

O Syrah da Herdade das Aldeias de Juromenha é, já o dissemos, “for our pleasure”, todo comercializado em Portugal. O facto de ser reserva significa neste caso que tem dez meses de estágio em barricas de carvalho francês e americano, e tem uma graduação alcoólica de 15,5%. Mais uma novidade. É o mais graduado de todos eles! O anterior de 2012 tinha 14,5%.

Cabe aqui contar uma pequena história não a propósito deste Syrah, mas a propósito de Mestre Saramago. Nós aqui no Blogue do Syrah somos, admitimos, um bocado teimosos, é Syrah e mais nada, mas, tendo em conta que António Saramago já fez vários Syrah e de qualidade e ainda por cima tem uma empresa de vinhos que comercializa os seus próprios vinhos que é a António Saramago Vinhos, desde há dois anos que sempre que nos encontrávamos lá insistíamos com o António para se atirar à possibilidade de fazer um Syrah com a marca António Saramago Vinhos! Nos primeiros tempos vacilava na resposta dizendo que para fazer um Syrah com o seu nome, tinha que ser um Syrah muito bom, e isso ainda nos deixava mais empolgados, mas concluía que nunca seria capaz de fazer esse Syrah com a mesma mestria com que faz na sua empresa o Castelão ou o Moscatel! E depois falava da excelência dos Syrah Hermitage do Vale do Rhône e que seria incapaz de fazer coisa semelhante, que o segredo é esse terroir único. No ano passado já respondia taxativamente que nunca faria um Syrah! É claro que a partir de certa altura lá nos convencemos que não fazia sentido insistir, dado que a última vez que o encontrámos assim que nos viu aparecer disse logo de mãos ao alto: não me venham falar de Syrah! Bem, será compreensível que um enólogo de Azeitão se sinta mais ligado à sua terra explorando tão bem, como só ele sabe, as castas nativas da Península de Setúbal como o Castelão e o Moscatel.
Pois bem, Mestre Saramago, o Syrah de excelência feito por si que procurávamos está aqui: é este Syrah 2013 das Aldeias de Juromenha!

A Herdade das Aldeias é uma empresa agrícola situada a cerca de 15km da Cidade de Elvas e junto da Vila de Juromenha com vista para o Rio Guadiana de belíssima paisagem. Está inserida numa zona histórica com grande tradição na arte de fazer vinho. Este projecto em particular está em desenvolvimento desde 1986. A adega está rodeada por 70 hectares de vinha própria. Este sistema promove um aumento na eficiência na vindima, uma vez que reduz o tempo desde a colheita até ao processamento das uvas. O clima é caracterizado por uma Primavera e Verão excessivamente quentes e secos. A exposição solar regista também valores bastante altos, em particular nas semanas anteriores à vindima, condições que contribuem para uma perfeita maturação das uvas. De facto as condições são extremamente favoráveis à síntese e acumulação de açucares e concentração de aromas e cor na película da uva. A bacia hidrográfica é dominada pelo Rio Guadiana e o tipo de solo é predominantemente xistoso.

Um autor desconhecido deixou escrito que “A cerveja, para os higienistas, não vale a água; para os gastrónomos não vale o Vinho!”
Esse problema para nós não se coloca quando temos à disposição o Syrah da Herdade das Aldeias de Juromenha!

 

Classificação: 19/20                                                          Preço: 4,99€


 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.