João Clara, Quinta João Clara, 100% Syrah, Algarve, 2014

Este é o segundo Syrah da responsabilidade de Joana Maçanita, melhor dizendo, dos irmãos Maçanita, que neste caso o projecto é assinado pelos dois!
E qual é o resultado?
O resultado só pode ser bom! Isto já parece um lugar comum, mas como podia ser de outra forma?
O nome Maçanita não sabe fazer Syrah de qualidade inferior!

As uvas da Quinta João Clara foram vinificadas com maceração a frio, por cinco dias, seguido de uma fermentação durante vinte dias. O Syrah João Clara 2014 estagiou quinze meses em barricas de carvalho francês. Escolhido pela Joana Alves, a filha de João, como a sua primeira criação, este vinho apresenta uma ‘cor violeta muito concentrado, no aroma notas de compota de frutos pretos com toques de pimenta preta, que se mostram bem integradas com as notas cremosas da barrica. Na prova é concentrado, com taninos redondos e boa elegância’. A graduação alcoólica é de 14,5%.

E agora um pouco de história sobre a Quinta João Clara, situada em Alcantarilha, e que nos remete para a década de 70, século XX, altura em que o produtor João Maria Alves decidiu adquirir a propriedade e plantar a sua primeira vinha. João Maria Alves, sempre foi conhecido por todos como João Clara e assim, a quinta ficou baptizada em sua homenagem. João Maria Alves era produtor de uvas de vinho há 30 anos, as quais entregava à Adega Cooperativa de Lagoa. Quando a velhice se fez notar passou o legado ao seu único filho, Joaquim Alves, que continuou entregar as uvas na mesma adega, no entanto a dificuldade de pagamento por parte da mesma, levou-o a enredar uma alternativa. Alternativa essa, que passava pela produção do seu próprio vinho. E assim, nasce um sonho!

Foi então, no ano de 2006, que o jovem e aventureiro produtor, Joaquim Alves, lançou o primeiro vinho desta quinta. Foram nesse ano produzidas 6 mil garrafas de Vinho João Clara Tinto. Para este primeiro lançamento, foram escolhidos António Maçanita como enólogo e Júlio Antão como artista plástico para desenhar a primeira garrafa, elaborando a imagem de marca João Clara. Mais tarde, o trabalho enológico passou a ser compartilhado com a Enóloga Cláudia Favinha, no entanto, a partir de 2013, este foi entregue à Enóloga Joana Maçanita e ao Enólogo que iniciou o projecto até então, António Maçanita. Este primeiro vinho foi elaborado com parte da produção vinícola, cerca de 3 hectares, a restante produção de uva foi, nesse ano, entregue à Adega Cooperativa de Lagoa, uma vez que não havia capacidade para a utilização da mesma. O rótulo elaborado para esta primeira garrafa foi inspirado na chaminé algarvia que é um símbolo da região, fruto da influência de cinco séculos de ocupação árabe. Na parte superior do rótulo existe uma deformação, que corresponde ao bico da águia, que simboliza o gosto da família pelo clube de futebol Sport Lisboa e Benfica. Foi então no ano 2007 que surgiu o primeiro vinho rosé da Quinta João Clara, seguindo-se o ano de 2008 em que foi lançado o primeiro vinho branco desta quinta, o qual foi uma homenagem a Joaquim Alves.

A Quinta João Clara têm a dimensão de 26 hectares, onde são desenvolvidas várias actividades de cultivo, embora a que mais se evidencie seja a cultura de vinha que conta agora com 8,5 hectares. A viticultura primou por um casamento entre as castas tradicionais algarvias e as castas que melhor se adaptavam às características do Terroir da quinta, em que o clima é temperado/mediterrânico e solo argiloso. Inicialmente, a Quinta João Clara contava com vinhas, na sua maioria, da casta Negramole e Crato Branco. A necessidade de vinhos com perfil mais moderno suscitou, numa primeira fase, a plantação das castas Trincadeira, Aragonês, Syrah e Alicante Bouschet. Em 2008, efetuou-se reenxertia com a  casta Touriga Nacional.

Mais recentemente, no ano 2010, houve a plantação de uma nova vinha. Desta vez, uma vinha de uvas brancas, primando pelas castas Arinto, Verdelho, Alvarinho e Moscatel. Desta vinha nova, obteve-se o primeiro vinho branco no ano 2013. A casta Crato Branco, também ela uma variedade de uva branca muito tradicional do Algarve, era a única casta existente nas vinhas já plantadas. Estas uvas foram utilizadas para a produção e lançamento de uma nova marca – Às Claras, – assim como, algum do Moscatel produzido.
Ao longo do ano, a vinha é acompanhada de perto pelo viticultor, técnico de fitofármacos e enólogos de forma a garantir a qualidade das uvas, consequentemente, aliada à qualidade do vinho que produzimos. A vindima é feita manualmente em caixas de 15 – 20kg sempre na presença da equipa de enologia e viticultura, por forma a garantir a maior sanidade das uvas à recepção na adega.

O poeta persa dos séculos XI e XII Omar Khayyan no seu poema Rubaiyat diz o seguinte:
“Bebo o Syrah que me oferece uma linda rapariga e não cuido de minha salvação.
Sempre ouço dissertar sobre os gozos reservados aos eleitos, limitando-me a dizer:
Só tenho confiança no Syrah.
Bebe Syrah!”
Pois bem, seguindo as indicações do poeta, uma taça de Syrah, por favor, hoje da Quinta João Clara 2014!

 

Classificação: 17/20                                                     Preço: 19,95€


 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.