Reflexões sobre a Prova Cega dos Syrah Portugueses versus Syrah Franceses!

A Prova Cega de Syrah, em epígrafe,  ocorrida no passado dia 9 de Abril em Lisboa, foi uma experiência extraordinária, intensamente vivida, quer para o Blogue do Syrah quer também, temos essa convicção, para todos os que nela participaram.

Agora que os resultados foram divulgados, são do conhecimento público, e estão a ser lentamente digeridos, importa fazer algumas reflexões com o objectivo de tirar algumas conclusões ao correr da pena e das sensações, como aliás temos feito a propósito das outras provas cegas de Syrah que temos levado a cabo.

Começando pelo vencedor, o
Côte Blonde “La Chatillone”, Vidal Fleury, Côte-Rôtie, 2009,
que, temos de o afirmar e enfatizar, foi justíssimo primeiro lugar porque se trata, de facto,  de um grande Syrah, originário de uma das sub regiões do Vale do Rhône mais famosas, e era também o Syrah mais caro em competição (cerca de 80 euros). Na sua folha de mesa, o Blogue do Syrah atribuiu logo ali, e isto serve para memória futura, a classificação de 19. Em relação ao segundo lugar, o Syrah português Monte do João Martins ficou classificado a nível geral com uma diferença de 0,04 pontos em relação ao primeiro!!! Bastaria a alteração de meio ponto de qualquer um dos jurados a favor do Syrah português e este seria declarado como o grande vencedor, mas as coisas são o que são, e é com isso que estamos a viver e a conviver, mas cada um que faça as sua ilações. O Syrah português segundo classificado era de 2012, do Alto Alentejo (sub região do Alentejo que possui o maior número de grandes Syrah portugueses) e com o preço do francês seria possível comprar 5 Syrah Monte do João Martins!

Continuando com os factos.
No Top Five há 4 Syrah portugueses contra somente 1 francês!
Depois há uma enorme paridade noutros resultados. Nos 10 primeiros classificados 5 são portugueses e 5 são franceses. No conjunto dos últimos 10 classificados, e que apenas apresentámos por ordem aleatória, 5 são também portugueses e 5 são franceses!

Curioso o facto de, apesar de preferirmos Syrah a 100%, como estamos sempre a repetir, 3 dos Syrah no Top Five integram a casta Viognier na sua composição, como já dissemos, entre eles o primeiro lugar, e dois portugueses. Isto pode querer dizer alguma coisa, pois Syrah com uma pequena percentagem de Viognier faz parte de uma certa tradição no Vale do Rhone.

Interessante como 3 Syrah do nosso soberbo terroir Alentejano ficaram logo abaixo do vencedor, em ataque cerrado e provando a sua profunda qualidade.

Fazendo a média das classificações atribuídas pelos jurados aos 20 Syrah presentes, esta nunca desceu abaixo dos 15 pontos (indo de 15,5 até 18,3), já sabemos, o paladar é subjectivo e envolve muitas variantes, mas podemos concluir que Syrah é mesmo bom, le crème de la crème. No total de 260 (13 jurados x 20 Syrah) classificações atribuídas durante a prova, apenas 6 foram abaixo de 15!

Em termos da nossa sensibilidade pessoal, e olhando para as notas atribuídas pelo Blogue do Syrah, as duas piores foram para 2 Syrah franceses, um Saint Joseph e um Cornas, e a melhor nota de 20 foi para o fantástico Crasto Superior Syrah de 2013 que ficou na classificação final em 5 lugar!

O que é que podemos prometer? Uma próxima prova cega de Syrah, ainda a realizar este ano, tão empolgante quanto esta, que demonstrou a quem não sabia, ou a quem queria ignorar, que os Syrah portugueses são dos melhores do mundo!


 

Leave a Reply