CEM REIS, Herdade da Maroteira, 100% Syrah, Alentejo, 2015

Não nos lembramos de que alguma vez a saída de um Syrah tenha dado tamanho alarido nas redes sociais, nomeadamente no Facebook.
É verdade que as diversas hostes de enófilos já tinham manifestado algum nervosismo quando publicámos este texto. Mas o que tem sido dito desde a última segunda feira dia 17 de Maio, que foi o dia do lançamento, é algo de realmente inesperado.
O Blogue do Syrah manifesta o seu contentamento devido às manifestações de regozijo e entusiasmo pela saída de um tão emblemático Syrah como é o Cem Réis!

Sabíamos que iria ser um Syrah especial, visto que englobaria o lote que inicialmente estava destinado a um possível Mil Réis. Ora como isso não aconteceu, o Cem Réis ficaria logo à partida mais “rico” devido a essa adição. A juntar a isso o facto de se tratar da colheita de 2015, que só por si, vai sendo cada vez mais confirmado, constitui uma mais valia, dado que se trata de um ano de soberba produção nacional!

Produzido na região alentejana, na terra mítica do distrito de Évora, e vinificado a partir das melhores uvas de casta Syrah, este vinho estagiou 9 meses em barricas de carvalho francês (70%) e em carvalho americano (30%). Tem uma graduação alcoólica declarada de 16%. Mas o Blogue do Syrah conseguiu apurar que a graduação real é de 16,8%. Não há que ter receio de dizer as coisas quando são ditas por amor e com admiração!

Quinze minutos após a abertura da garrafa (bem se sabe que habitualmente se deve esperar mais tempo) ao colocar o primeiro golo na boca dá-se uma explosão de notas quentes e intensas a frutos pretos maduros e especiarias, foi indescritível a partir daí. Mais uma vez de cor violeta concentrada, muito encorpado, acidez dum equilíbrio que até dá vontade de chorar e com taninos bem presentes e redondos no final que nunca mais acaba e que bom que é. Não estávamos à espera deste choque de tal forma intenso. E que boa seria a vida se tivéssemos destes choques com mais frequência!

Robert Parker, o mais conhecido e, provavelmente, o mais influente crítico de vinhos, disse, há uns anos atrás, numa entrevista à publicação “The Drinks Business“, que os críticos de vinho que não conseguem dar pontuações perfeitas (os famosos 100 pontos) para vinhos que as merecem, é  “porque se estão a esquivar dessa responsabilidade“. Mais à frente, na mesma entrevista, afirmou: “Quando, na sua análise mental, um vinho é o melhor exemplar que você já provou daquele tipo em particular, você tem a obrigação de dar-lhe uma pontuação perfeita“. E concluiu, acrescentando que aqueles que são incapazes de atribuir uma pontuação perfeita a um vinho que lhe faça jus, são “irresponsáveis“. Não concordamos com tudo o que disse Robert Parker. Mas neste particular pensámos que acertou na mouche!

Por aquilo que já é este Syrah e por aquilo que já mostra em termos de capacidade de evolução não podemos deixar de dar a este Syrahuma pontuação perfeita“.

O enólogo responsável é, como não podia deixar de ser, uma vez mais e sempre António Maçanita. O clima que dá origem a este Syrah é típico do mediterrâneo continental ou seja, dias quentes e secos, com noites muito frias. Os solos como já é habitual para a nossa casta são muito pobres de origem xistosa ou granítica.
Parabéns António por mais este Syrah! Parabéns também como não podia deixar de ser ao Philip Mollet e ao Anthony Doody!

Os marotos da Maroteira acabam de enriquecer a estratosfera Syrahniana uma vez mais e de uma forma que vai ficar para a história do Syrah em Portugal!

E onde é que o podemos encontrar?
Obviamente na garrafeira Estado d`Alma, e por vários outros lugares. Cada um que faça o seu percurso!

Para terminar, que apetece ir abrir outra garrafa e continuar a aventura, que dizer do ligeiro aumento de preço? Para um Syrah perfeito o que são mais um par de euros?

 

Classificação: 20/20                                           Preço: 19,95€


 

Leave a Reply