Victor Conceição – O Enólogo Eborense e Orgânico do Syrah!

Continuando a nossa saga, que já se alonga, e ainda bem, sobre os enólogos que fazem Syrah em Portugal, trazemos hoje à ribalta Victor Conceição, que tem no seu currículo o Syrah Dona Dorinda, com várias colheitas, todas elas diferentes e todas topo de gama, com elevadas classificações da nossa parte, por isso o destaque é inteiramente merecido.

Aqui vão elas.


Dona Dorinda, Quinta Nossa Sra. da Conceição, 100% Syrah, Alentejo, 2012
Classificação: 20/20

 


Dona Dorinda, Quinta Nossa Sra. da Conceição, 85% Syrah e 15% Viognier, Alentejo, 2013
Classificação: 18/20

 

Dona Dorinda, Grande Reserva, Quinta Nossa Senhora da Conceição, 100% Syrah, Alentejo, 2011
Classificação: 20/20
(Considerado o melhor Syrah português de 2016)

 

Dona Dorinda, Quinta Nossa Sra. da Conceição, 100% Syrah, Alentejo, 2015
Classificação: 20/20
(Considerado o segundo melhor Syrah português ex-equo de 2017)

Vejamos cada um em pormenor.

Dona Dorinda, Quinta Nossa Sra. da Conceição, 100% Syrah, Alentejo, 2012
E agora alguns dados sobre a vinificação. Vindima manual nocturna. Maceração carbónica a frio cerca de 12 meses. O envelhecimento esse foi feito em carvalho francês, pois claro, durante 12 meses. As notas de prova dizem-nos que tem um “aroma intenso a amora silvestre, taninos bem integrados e suaves, com notas de especiarias e folha de tabaco, característica da casta Syrah. Corpo elegante, equilibrado com um final prolongado.”
As práticas de agricultura biológica, integradas sempre que possível com Agricultura biodinâmica, revelaram-se uma verdadeira experiência de novas, ou ancestrais melhor dizendo, técnicas de produção, visando sempre a preservação da natureza como um todo sustentável. Alinhada com as estrelas, a vinha com cerca de dois hectares, (embora entretanto mais hectares tenham sido plantados) encontra-se instalada em forma de “meia-lua”, chamando a si as boas energias que o Universo tem para nos oferecer. Notável!
O produtor indica na ficha técnica que o prazo de evolução do Dona Dorinda é de 10 anos. Neste momento não conseguimos imaginar o que será por essa altura, mas há uma coisa que por experiência sabemos: este Syrah vai ter seguramente uma longevidade muito superior a 10 anos. Não temos dúvidas sobre isso!

Dona Dorinda, Quinta Nossa Sra. da Conceição, 85% Syrah e 15% Viognier, Alentejo, 2013
O distrito de Évora, e mais especificamente o concelho de Évora propriamente dito, é uma terra sagrada, já o dissemos, no que ao Syrah diz respeito. Vamos colocar a questão de outra forma: desta terra, ou como dizem os franceses e com razão, deste terroir, só pode sair Syrah topo de gama! Até agora não houve motivos para pensar o contrário. Se estes vossos escribas algum dia decidissem fazer Syrah, que é só uma hipótese absurda mas divertida, seria esta terra abençoada a escolhida.
O Dona Dorinda 2013 é diferente do seu irmão de 2012 principalmente porque contém 15% de Viognier, à boa maneira do Vale do Rhône e tem 15% de graduação alcoólica. O de 2012 tinha 14% de graduação alcoólica e era Syrah a 100%, como preferimos! Podemos sim é comunicar desde já aos nossos leitores que o Dona Dorinda 2011 será igualmente um Syrah a 100%, para nosso regozijo! Mantém o facto, para nós relevante, de ser biológico e percebe-se com facilidade que tem uma longa evolução pela frente, isto naturalmente se não esgotar tendo em conta que a produção é realmente baixa.
A garrafa da safra de 2013 mantém o mesmo desenho do ano anterior, o que não irá acontecer com a garrafa de 2011, mas que do nosso ponto de vista repete o requinte e a elegância muito dificilmente encontrada noutra garrafa de Syrah. Espectacular!

Dona Dorinda, Grande Reserva, Quinta Nossa Senhora da Conceição, 100% Syrah, Alentejo, 2011
Provámos este Dona Dorinda 2011 em Outubro de 2015 no Encontro de Vinhos Alentejanos no CCB e logo ali declarámos: “Vale 20!”
Só que na altura não havia decisão sobre a garrafa final e os rótulos não estavam ainda feitos.
Após este ano e meio de longa espera, já com tudo no devido lugar, com design renovado e do nosso ponto de vista muito bem conseguido, o Blogue do Syrah pode finalmente apresentar ao mundo o Dona Dorinda 2011!
Só se fizeram 1238 garrafas, numeradas à mão, cabendo à nossa o número 573. A graduação alcoólica tem uns impressionantes 16,5%, mas tão bem integrados nos outros elementos vínicos que só se acredita neste valor lendo o contra rótulo da garrafa.
Já apresentamos aqui o Dona Dorinda 2012, neste momento esgotado, e aqui o Dona Dorinda 2013, este sim ainda no mercado. Ambos topos de gama mas agora com o Dona Dorinda 2011 (pensem nos anos de estágio que este vinho já teve antes de sair para o mercado…), os adjectivos calam-se por insuficientes e só podemos mesmo dizer:
“É preciso bebê-lo!”
Era o Napoleão Bonaparte que dizia: “O vinho inspira e contribui grandemente para a alegria de viver.” Aqui está o melhor exemplo!
As notas de prova dos anteriores diziam-nos que tem um “aroma intenso a amora silvestre, taninos bem integrados e suaves, com notas de especiarias e folha de tabaco, característica da casta Syrah. Corpo elegante, equilibrado com um final prolongado.” Agora ao falar do Dona Dorinda 2011 temos que utilizar constantemente o superlativo.

Dona Dorinda, Quinta Nossa Sra. da Conceição, 100% Syrah, Alentejo, 2015
É a garrafa número 332 que estamos a degustar, de um total de 3800.
Com 16,5% de graduação alcoólica, como aliás o anterior, Grande Reserva de 2011, mas tão bem integrados nos outros elementos vínicos que só se acredita neste valor lendo o contra rótulo da garrafa.
As notas de prova dizem-nos que tem um “aroma intenso a amora silvestre, taninos bem integrados e suaves, com notas de especiarias e folha de tabaco, característica da casta Syrah. Corpo elegante, equilibrado com um final prolongado.” O enólogo de serviço, como não podia deixar de ser, é o eborense Victor Conceição, que está ao leme dos destinos vínicos da Quinta de Nossa Senhora da Conceição!
Vamos dizer mais uma vez o que já foi dito em relação a outros vinhos deste produtor:
é um vinho superior e de qualidade excepcional!
Nele, tudo é muito bom!
Percorrer os seus caminhos sensoriais é partir em busca de um néctar para lá do imaginável.
O poeta persa dos séculos XI e XII Omar Khayyan, sempre ele, no seu poema Rubaiyat, diz o seguinte:
“O Syrah inundar-te-á de luz, livrando-te dos grilhões de prisioneiro.”
O Dona Dorinda Syrah 2015 é mesmo uma luz libertadora e infinita de prazeres!
Perante isto, que nota atribuir a um vinho que consideramos perfeito?
A um Syrah perfeito só a nota perfeita!!!

—————————————————————————————————————

Victor Conceição, nascido e criado em Évora, viveu toda a sua vida naquela que é a cidade alentejana mais fascinante, mais histórica e mais cosmopolita de todo o Alentejo! É já uma cidade universal! Tem 41 anos e estudou Agronomia na Universidade de Évora e mais tarde Enologia. A mudança e a grande oportunidade na vida do nosso enólogo acontece quando um casal formado por um holandês, Winkelman, e uma norte-americana, Dorinda, nome de origem indígena, decidem há mais ou menos uma década e meia vir passar férias a Portugal. Conhecem, entre outros lugares, Évora, e ele, já com uma grande paixão pelos vinhos do Vale du Rhône, decide comprar um terreno, que liga com a cidade, para plantar uma vinha. Será a Quinta de Nossa Senhora da Conceição. Conhecem um alentejano de quatro costados, o nosso Vítor Conceição de seu nome, “um bom moço” como os alentejanos costumam dizer, que mete mãos à obra e realiza o sonho do ecléctico par: dar vida a uma vinha de Syrah em primeiro lugar e de seguida de Viognier, como manda a tradição francesa. E foi assim que começou esta história que até agora deu origem a quatro Syrah topos de gama! Antes deles tinham sido feitos o Dona Dorinda 2009 e o Dona Dorinda 2010 que não foram mais do que experiências de duzentas e cinquenta garrafas cada um e que nunca foram lançadas no mercado! Como é que estarão esses dois Syrah? O segredo está nos deuses!

É importante fazer aqui um pequeno parênteses para mostrar a total sintonia entre o enólogo e o produtor. A colheita de 2014 não foi feita porque devido a várias vicissitudes, não foi considerada de qualidade e foi totalmente descartada. A qualidade interessa mais que o negócio. Este é o melhor exemplo de que aqui só sai para o mercado o melhor dentro do melhor!

A Quinta de Nossa Senhora da Conceição não tem adega e portanto Victor Conceição contou ao longo destes anos com a adega da Herdade da Calada e o seu enólogo Eduardo Cardeal, onde foram feitas todas as vinificações dos Dona Dorinda até agora. Mas a boa notícia é que a partir de Setembro irá ser construída uma adega no espaço da Quinta de Nossa Senhora da Conceição e pensa-se já aí vinificar a vindima de 2019. É uma óptima notícia porque é a melhor garantia que os Syrah Dona Dorinda, com e sem Viognier, da Quinta de Nossa Senhora da Conceição vão continuar a serem produzidos com saber e mestria! O enólogo Victor Conceição vai continuar a dar que falar dentro e fora de fronteiras!

O Blogue do Syrah só pode ficar feliz quando tem um enólogo desta qualidade a fazer continuamente Syrah topo de gama!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.