Joachim Roque, o enólogo incógnito do Syrah

Desde a segunda metade dos anos 90 que se produz Syrah em Portugal. O Blogue do Syrah tem feito o seu papel na divulgação desse percurso por terras lusas. Já dissemos várias vezes que em Portugal se produz algum do melhor Syrah do mundo! Como o Syrah é feito por pessoas, é natural que o Blogue do Syrah fale de quem colocou o Syrah português nas bocas do mundo, já que são eles os principais responsáveis pelo aparecimento deste espaço de apresentação, apreciação, devoção e divulgação.

Na sequência de artigos anteriores sobre os enólogos que fazem Syrah em Portugal, trazemos hoje à ribalta Joachim Roque, que tem no seu currículo não dois nem três mas quatro Syrah, alguns dos quais com várias colheitas!

Aqui vão eles, todos de peso, como se pode ver pelas classificações atribuídas:

 

Dium, Quinta da Confeiteira, 100% Syrah, Alentejo

Classificação: 20/20

 

Monte do João Martins, Miraldino Filipe Mendes & Cª, Lda, Reserva, 100% Syrah, Alentejo

Classificação: 19/20

 

Monte Seis Reis, 100% Syrah, Alentejo

Classificação: 18/20

 

Quinta da Tôr, 100% Syrah, Algarve

Classificação: 18/20

 

Vejamos cada um em pormenor.

 

Dium, Quinta da Confeiteira, 100% Syrah, Alentejo

As notas de prova dizem-nos que se “apresenta de cor intensa, com perfil bastante aveludado e elegante, sobressaem os aromas típicos da casta, tais como a fruta preta madura, as especiarias e o chocolate negro. Final suave mas com elevado volume de boca.” Em termos de vinificação a fermentação foi realizada com temperatura controlada, seguindo-se uma longa maceração pósfermentativa. O estágio foi de 12 meses em barricas de carvalho francês, seguido de estágio de 18 meses em garrafa. Evolução positiva durante 7 a 10 anos, se conservado em local fresco, escuro e a garrafa deitada.O Blogue do Syrah acredita que o período pode ser alargado seguramente a mais duma dúzia de anos!
A produção de Dium 2014 é de 1900 garrafas. A Quinta da Confeiteira produz cerca de 15.000 garrafas por ano e não está presente em grandes superfícies. Algumas garrafeiras deverão vir a tê-lo quando descobrirem as suas potencialidades.

 

Monte do João Martins, Miraldino Filipe Mendes & Cª, Lda, Reserva, 100% Syrah, Alentejo

Esta é a terceira colheita deste grande Syrah de um pequeno produtor!
A colheita de 2011, assim como a colheita de 2012, foram consideradas topo de gama pelo Blogue do Syrah!
O ditado popular diz que “não há duas sem três!” e esta terceira colheita vai pelo mesmo caminho!

E é neste monte do concelho de Portalegre que encontramos um Syrah de qualidade superior, em nosso entender, com uma produção limitada. É um Syrah com uma graduação alcoólica de 14,5%, e as notas de prova dizem-nos que “é um vinho de aromas e frutos silvestres e especiarias. Na boca tem frutos pretos em harmonia com notas de baunilha e tostados. É equilibrado, perfil persistente e complexo.” Estagiou 12 meses em barricas novas de carvalho francês. No Monte do João Martins o conceito de Reserva pretende seleccionar todos os anos a casta que melhor se evidenciou. A distinguida de 2014 é justamente a nossa casta Syrah! Produção limitada a 1213 garrafas! Esta que foi degustada com todo o prazer era a 1073!

 

Monte Seis Reis, 100% Syrah, Alentejo

O ano é 2013, a graduação alcoólica 15%, a tiragem foi de 7000 garrafas. Produzido exclusivamente a partir das melhores uvas desta casta cada vez mais alentejana, colhidas no seu melhor ponto de maturação e vindimadas após criteriosa selecção, tudo isto torna este Syrah um dos mais distintos e de melhor qualidade do Alto Alentejo. Falamos de Estremoz, essa vila integrada em região bendita pelo Syrah do Alto Alentejo!

“Com cor bastante intensa, revela todos os aromas típicos desta casta, apimentados pelo estágio na madeira. Destacam-se as especiarias o sabor elegante e aveludado, com um persistente volume de boca.” Indica o produtor que este Syrah tem uma “Evolução positiva durante 7 a 10 anos, se conservado em local fresco, escuro e a garrafa deitada.”

O facto de no Monte Seis Reis não haver Syrah todos os anos, como seria normal, deve-se a um único motivo: a preservação da qualidade. Se a uva de um determinado ano não atinge o standard máximo devido, já presente em anos anteriores, então essas uvas Syrah vão para fazer vinhos de mistura com outras castas!

 

Quinta da Tôr, 100% Syrah, Algarve

O Quinta da Tôr 2014 é o mais alcoólico Syrah português e provavelmente o mais alcoólico de todos os Syrah do mundo, daí a diferença! Não temos a certeza deste facto, mas é fácil de entender que será muito difícil lançar para o mercado um Syrah com uma maior graduação alcoólica. São 17%!!

Com veemência afirmamos: este não é um Syrah fácil! É um Syrah que tem que ser consumido com uma moderação redobrada e com cuidados extras. Muito alcoólico e muito doce, como de facto é, pode ser a conjugação explosiva para afastar muitos consumidores de palato menos arrojado. É de facto um Syrah sui generis, onde não há lugar para meias tintas, ou se gosta, como é o nosso caso, ou não! Se a safra anterior já tinha mostrado potencialidades, esta superou as nossas expectativas. Partam em sua demanda, confirmem e comentem de sua justiça.

Joachim Roque é chamado por nós como o enólogo incógnito do Syrah porque está na sombra do seu trabalho e sempre por detrás dos produtores com quem tem trabalhado! Há enólogos mais presentes, mais disponíveis e há outros enólogos mais reservados, mais escondidos! É como as pessoas! E nós aqui no Blogue do Syrah respeitamos tanto uns como outros, porque o que é verdadeiramente importante é a qualidade dos Syrah que são produzidos! Sabe-se muito pouco de Joachim Roque! Formado em Viti-Oeno em Bordéus – França, com várias experiências internacionais (Bordeaux, Côtes du Rhone, Napa Valley, Alentejo, Portugal). Fundador da Vinivista em 2009, sedeada em Estremoz-Portugal onde desenvolve projectos na área Vitivinícola.

Antes disso tinha já sido enólogo da Quinta do Carmo em Estremoz antes da sua compra pela Bacalhoa.

A Vinivista presta serviços de enologia e viticultura! Serviços de consultoria na área vitivinícola à medida das necessidades do cliente, tendo em conta a sua dimensão, capacidade instalada, recursos humanos qualificados e outras especificidades do cliente.Na produção, transformação, controlo de qualidade, análise e acompanhamento de projectos. Dá-se também às organizações uma componente técnica experiente e de superior qualidade, acompanhando a estratégia operacional definida e organizando os trabalhos de campo e de adega. A acessoria estará também associada ao controlo de qualidade, aos tratamentos a efectuar no solo e na vinha, planeamento, recursos humanos a afectar a cada situação, controlo dos níveis de produção ideais, especificação de castas, entre outros no processo de produção vitinícola.

Temos como exemplo a produção de vinhos na Herdade de Vale Barqueiros, conduzida desde a vindima de 2010 por Joachim Roque e pela sua equipa da Vinivista, assenta na construção de pequenos lotes, com uma qualidade acima da média onde se tornem evidentes todos os traços que caracterizam o terroir desta propriedade e permitam assim, o aparecimento de vinhos altamente personalizados, numa região, Alter do Chão, que já há muitos anos atrás, no século XIX, foi referenciada como sendo de excelência para a produção de vinhos.

Joachim Roque já mostrou do que é capaz! É um enólogo que por aquilo que já fez no mundo dos Syrah em Portugal, estamos sempre na expectativa do que ainda possa vir a fazer!

 

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.