All posts by Raul PC

Crasto Superior, Quinta do Crasto, 97% Syrah, 3% Viognier, Douro, 2014

Estamos perante a segunda colheita deste assombroso Syrah da Quinta do Crasto!

A primeira colheita do ano de 2013 foi aqui apresentada e superou na altura todas as melhores expectativas.
Esta agora de 2014 estamos quase… quase a acreditar que poderá mesmo superar a anterior!

Não importa que o Syrah seja do Douro só porque haja quem defenda a tese que no Douro só deve figurar as castas portuguesas típicas da região! E se o Syrah pode ser fabuloso em certas circunstâncias, que sentido tem virar as costas a essa possibilidade? Repetimos com a mesma veemência o que já tínhamos gritado anteriormente: o Syrah Crasto Superior é de excelência!

As uvas, provenientes das plantações experimentais de 2004 da casta Syrah no Douro Superior da Quinta da Cabreira, foram transportadas em caixas de plástico alimentar e sujeitas a uma rigorosa triagem à entrada da adega. Após um desengace total e um ligeiro esmagamento o mosto foi transferido para cubas de inox, onde foram sujeitas a um pré – maceração fermentativa durante 5 dias em baixas temperaturas. De seguida desenrolou-se a fermentação alcoólica por um período de 7 dias, seguida de uma prensagem muito suave, e fermentação maláctica em barrica de carvalho francês.
O envelhecimento foi feito em barricas de carvalho francês durante 16 meses. O solo é de xisto e a idade das vinhas é de 11 anos. O Syrah tem uma graduação alcoólica de 14,5%. O enólogo de serviço é o mestre Manuel Lobo. No que diz respeito a notas de prova podemos falar “da cor, que é violeta escuro. O nariz encontra uma excelente sintonia de aromas, onde se destacam frescos frutos silvestres, em perfeita harmonia com elegantes notas de chocolate Muito preciso fresco e persistente. Na boca o início envolvente, evoluído para um vinho de excelente volume e estrutura composto por taninos frescos e de textura fina. Tudo muito bem integrado com agradáveis notas de frutos silvestres e suaves sensações mentoladas que lhe conferem uma agradável frescura. Termina em perfeito equilíbrio e com excelente persistência.” Em suma,  muito aveludado, taninos dominados e aromas diversificados.
E mais dizemos que está a crescer… a caminho da perfeição!

Situada na margem direita do rio Douro, entre a Régua e o Pinhão, a Quinta do Crasto, é uma propriedade com cerca de 130 hectares, dos quais 70 são ocupados por vinhas. Fazem também parte do património da empresa a Quinta do Querindelo, com 10 hectares de Vinha Velha, e a Quinta da Cabreira, no Douro Superior, com 114 hectares de vinha.
Com localização privilegiada na Região Demarcada do Douro, a Quinta do Crasto é propriedade da família de Leonor e Jorge Roquette há mais de um século. Como costuma ser com as grandes Quintas do Douro, a origem da Quinta do Crasto remonta a tempos longínquos – o nome Crasto deriva do latim “castrum”, que significa forte romano.
Os importantes investimentos realizados nos últimos anos permitiram modernizar as vinhas e as instalações de vinificação. Toda a área de vinha está coberta por um sistema de rega gota a gota, que complementado por uma estação meteorológica própria, permite fazer frente ao clima mais seco e agreste que é característico do Douro Superior.

O escritor e jornalista Ambrose Bierce escreveu:
“Um velho especialista em vinhos, ao ser atropelado por um comboio, teve os lábios humedecidos com vinho para que recobrasse os sentidos. ‘Bordeaux, 1882’ murmurou ele antes de morrer”.
Hoje se fosse vivo poderia ter escrito em vez de Bordeaux “Crasto Syrah 2014”!

 

Classificação: 19/20                                                     Preço: 22,00€


 

Coisas de Vinho, Janeiro 26

Mais uma vez estamos a divulgar a tertúlia Coisas de Vinho, em Évora, e como sempre na última quinta-feira do mês, pelas 18:15. Todos os pormenores abaixo.


 

Brett Edition, Herdade do Arrepiado Velho, 100% Syrah, Alentejo, 2014

Esta é a nova colheita do já famoso Brett Edition, de Sousel, dos dois Antónios:  António Antunes produtor e António Maçanita enólogo!

Este Syrah já atingiu de tal modo o estrelato e sobre ele já tecemos palavras tão exaltadas que a cada nova colheita só temos que continuar a realçar as qualidades únicas e intrínsecas que fazem parte deste Syrah, para que possa ser conhecido e degustado por um número cada vez maior de enófilos e apreciadores de coisas únicas!

O responsável principal subjacente a este néctar é a levedura «Brettanomyces/Dekkera» que  tem a capacidade de produzir determinado tipo de aromas, que se tentam descrever falando em suor de cavalo, cabedal e outros. Defeito ou virtude é parte da composição do aroma dos grandes clássicos de sempre e é, por muitos, apelidado como a “complexidade do velho mundo”. No entanto, é por outro lado, também, considerado por muitos um escandaloso defeito. Esta edição do Brett é um desses casos em que a natureza decidiu tomar liderança na enologia, estagiando parte do vinho nas barricas da edição anterior. E é aqui que reside a explicação: um Syrah ‘infectado’, de modo natural, pela levedura Brettanomyces. O resultado é um néctar multidimensional, produzindo o “Brett” níveis de complexidade aromática, que só seriam possíveis com vários anos de garrafa, mas mantendo ainda toda a fruta.

O Blogue do Syrah com António Maçanita

O mestre deste resultado como já dissemos no início é António Maçanita, enólogo sobejamente conhecido no mundo vitivinícola português. O Brett Syrah apresenta “Cor ruby- violeta, concentrado. Nariz exuberante, caixa de cigarro, couro, especiarias e groselhas pretas. Ataque redondo, suave e rico. Boa frescura e persistência no final de prova.” Tem um teor alcoólico de 14,5%, com 16 meses de estágio em barricas de carvalho francês. Todas as uvas são vindimadas à mão, seleccionadas em mesa de escolha à entrada na adega, e a vinificação decorre a temperatura controlada.

E agora um pouco de história sobre a Herdade do Arrepiado Velho. Sousel, a cerca de 40 km de Portalegre, no Alto Alentejo, viu nascer um espaço havia muito abandonado. O monte alentejano do séc. XIX foi construído de acordo com a arquitectura tradicional da região, magnificamente conservado, pleno de espaços de rara beleza. Com uma área total de cerca de 100 hectares, a barragem destaca-se entre vinhas e olival, num misto de cores e tranquilidade, como só o Alentejo consegue oferecer. O conjunto destas características faz com que a Herdade do Arrepiado Velho se integre na Rota de São Mamede – um dos três caminhos da rota dos vinhos do Alentejo.

O enófilo Nino Ferrara não há muito tempo escreveu que “Beber um bom vinho tinto, provavelmente, é o melhor acto de auto-estima e, seguramente, uma das melhores formas de contribuirmos para a nossa própria felicidade.”
Nós aqui no Blogue do Syrah confidenciamos que estamos de acordo com o Nino se pensarmos, por exemplo, no Syrah Brett Edition!

 

Classificação: 18/20                                                     Preço: 19,50€


 

HT, 100% Syrah, Tiago Cabaço Wines, Alentejo, 2015

Estamos perante a terceira colheita do HT de Tiago Cabaço Wines, do ano de 2015, de Estremoz.

A primeira safra, de 2013, foi o Syrah com que começámos esta aventura de contar a história (passado, presente e futuro), dos Syrah portugueses. Por isso temos um especial carinho por este Syrah!

Mas vamos debruçar-nos sobre o HT!
Em primeiro lugar, o nome: diz-nos o próprio produtor que se trata duma homenagem à Herdade do Trocaleite, onde passou a infância, e onde estão plantadas 6 parcelas de Syrah cujo cultivo o resultado está à vista. Um Syrah novíssimo de 2013 com 14% de graduação alcoólica de “cor rubi compacta, com taninos finos mas poderosos e com um final de boca longo e elegante.” Não poderíamos estar mais de acordo. Acrescentemos, unicamente, que tem possibilidade de evoluir com o tempo devido, em garrafa.

Em todo o texto argumentativo, é nossa opinião que no final deve ser deixado um argumento forte. E este é mesmo muito forte. Trata-se do preço, que se situa abaixo dos quatro euros, quando comprado em supermercado! É obra, tendo em conta os seus congéneres de mercado e devido à qualidade demonstrada. Quem disse que não é possível comprar um Syrah de baixo custo e simultaneamente poderoso?

Petrónio, que foi um escritor romano, mestre na prosa da literatura latina, escreveu que “O bom vinho deve ser apreciado aos goles.”
É o caso deste HT, 100% Syrah, do Tiago Cabaço de 2015.
Trata-se de um bom Syrah!

 

Classificação: 16/20                            Preço: 3,74€


 

Vinha do Rosário, 100% Syrah, Casa Ermelinda Freitas, Península de Setúbal, 2015

Se na Península de Setúbal há casas vinícolas que apesar de terem um bom monocasta Syrah decidem parar com a sua produção, há outras bem mais inteligentes que tendo já um mono varietal de Syrah apostam num segundo. Viva!

É o caso presente da casa Ermelinda Freitas, que lançou, com o ano de 2015, este Syrah a 100%, com a marca da gama de entrada Vinha do Rosário. Conhecendo muito bem o outro Syrah da casa, feito pela mestria de Jaime Quendera, e por ser gama de entrada, assim como pelo preço, mesmo muito acessível, a qualidade demonstrada foi uma surpresa. Mas este hoje aqui também é um Syrah Jaime Quendera e quando temos um mestre a fazer Syrah, as nossas expectativas não devem ser baixas!

Não é preciso falar muito da casa Ermelinda Freitas, sobejamente conhecida no mundo dos vinhos, empresa familiar localizada em Fernando Pó, no concelho de Palmela. Nasceu em 1920 pelas mãos de Deonilde Freitas e neste momento, com Leonor Freitas, vai já na sua quarta geração. Esta assumiu o comando da sua mãe, que deu o nome aos vinhos da casa. Foi com a actual proprietária que surgiu o grande impulso dado à empresa pois foi ela que ampliou as vinhas que herdou, de sessenta hectares para os actuais trezentos e quinze hectares. A quinta inicialmente só tinha duas castas, Castelão (conhecida na península de Setúbal por piriquita – que acabou por dar o nome a um vinho da empresa concorrente, a José Maria da Fonseca) e a Fernão Pires, branca, também muito usada na região. Foi Leonor Freitas que introduziu todas as castas que a Casa Ermelinda tem actualmente e naturalmente o Syrah. De referir que nas três gerações anteriores os vinhos não eram engarrafados e não tinham marca própria. Eram vendidos a granel e com uma qualidade que muitas vezes deixava a desejar. Sob a liderança da quarta geração tudo mudou! Percebe-se que Leonor Freitas não estava satisfeita com a herança recebida e munida de uma equipa onde se destaca o enólogo Jaime Quendera, mudou todo o “savoir faire” da Casa.

O Syrah Vinha do Rosário, com 14,5% de teor alcoólico, teve fermentação em cubas-lagares de inox com temperatura controlada, e maceração pelicular prolongada. Estágio de 4 meses em madeira francesa 50% e americana 50%. Isto deu origem a um Syrah “de cor granada /rubi, concentrado, rico em taninos de boa qualidade, muito complexo e cheio no boca , com aromas a lembrar frutos pretos muito maduros, compota e especiarias , bem conjugado com a madeira que lhe dá um toque de baunilha. Final de boca persistente e prolongado“.

O provérbio popular diz que:
“Enquanto o vinho desce, as palavras sobem.”
As palavras já subiram, como se pode ver, só com o abrir da garrafa.
Falta o Syrah descer.
Vamos a isso!

 

Classificação: 16/20                            Preço: 2,99€


 

Pontual, Pontual Wines, 100% Syrah, Alentejo, 2015

Esta é a melhor colheita do Syrah Pontual do Alandroal!
Nada de surpreendente, ou não se tratasse da colheita de 2015, que está aí para fazer história!

As notas de prova dizem que “apresenta uma cor intensa com reflexos violáceos. Os seus aromas estão bem definidos, frutos do bosque e nuances de especiarias, pimenta preta. Na boca revela-se um vinho muito equilibrado e denso, com uma acidez e taninos bem moldados.” A  graduação alcoólica é de 14%. O estágio é feito em barricas de carvalho Francês e Americano. Paolo Fiuza Nigra e Dinis Gonçalves são os enólogos de serviço.

Desde 2005  até esta de que aqui falamos, 2015, várias safras viram a luz do dia.
A PLC – Companhia de Vinhos do Alandroal, Lda, foi constituída em 2000 por Paolo Fiuza Nigra, Luís Bulhão Martins e Carlos Portas. As iniciais de cada um deles deram então nome ao projecto: PLC. Na planície ondulante do Alentejo, entre o Alandroal e Portalegre, a equipa gere com mestria 100 hectares de vinha. Plantada em solos xistosos onde as castas indígenas, e outras, potenciam a produção de vinhos de elevada qualidade, em terrenos e clima vocacionadas para a matéria prima que aqui nos traz, onde as vinhas crescem e as castas plantadas foram cuidadosamente escolhidas, com o objectivo de potenciar a qualidade das uvas e vinhos.

A produção de vinhos de qualidade começa na vinha e seus cuidados, através de uma selecção criteriosa das uvas, tendo em conta o seu estado sanitário e fase de maturação. Durante a vindima e depois na adega, a uva é processada com todos os cuidados necessários para preservar toda a sua qualidade e potencial. A vinificação dos brancos é feita em cubas de inox,  com desengace total, prensagem a baixas pressões e poucas quantidades, decantação entre 7 a 10° C. A fermentação é controlada a baixas temperaturas, entre os 13° C e os  15° C até esta acabar. Nos tintos a vinificação é feita em lagares de inox, o desengace é total e a maceração pré-fermentativa durante 1 a 2 dias. A fermentação alcoólica dá-se em temperatura controlada a  25° C. O estágio do vinho é feito em barricas de carvalho americano ou francês consoante a casta e vinho.

Segundo um adágio português:
“Ovo de uma hora, pão de um dia, vinho de um ano, mulher de vinte, amigo de trinta e deitarás boa conta.”
Quem diria melhor?

O Syrah Pontual é mais um elemento a exaltar a qualidade dos Syrah alentejanos. Vale a pena que se beba ciclicamente, partindo em demanda das edições anteriores,  até para avaliarmos a sua evolução de colheita para colheita. Mas esta de 2015 é verdadeiramente a melhor. E ainda bem. Porque é a que está disponível no mercado.
Que aprazível maneira de ocupar a vida!

 

Classificação: 17/20                                                     Preço: 7,85€