All posts by Raul PC

Quinta de Arcossó, 100% Syrah, Trás-os-Montes, 2013

Mais uma colheita do magnífico Syrah da Quinta de Arcossó. Do ano de 2013!
Está aí no mercado “for your plessure”!
A qualidade deste Syrah vem desde o primeiro momento, mas podemos dizer que esta nova colheita em análise merece-nos uma classificação superior. Tem todas as características do anterior mas manifesta um domínio tânico superior. É um Syrah mais macio, mais envolvente, embora as anteriores colheitas também tivessem esta característica. O conjunto torna mais fácil uma decisão classificativa, neste caso superior.
Trata-se de um Syrah único, possuidor de características que não encontramos em mais nenhum Syrah em Portugal, quiçá no mundo. Avaliem de vossa justiça.

A quinta, do produtor Amílcar Salgado, homem de uma grande disponibilidade comunicativa, possui doze hectares de vinha, produz diversos vinhos desde 2005, e está situada naquele que é considerado o local mais rico da Europa em águas minerais. Basta pensarmos nas águas Campilho, nas águas Vidago ou nas conhecidíssimas Pedras Salgadas, para além de outras que povoam toda esta região. Isto faz com que o syrah seja muito mineral, sobretudo no primeiro envolvimento na boca, sobressaindo de seguida toda a complexidade da nossa casta.

A Quinta de Arcossó está situada numa região de tradições vitícolas já muito antigas, anterior aos romanos, com um solo de origem granítica onde crescem castas adaptadas à região. Quem diria que a casta Syrah se poderia adaptar tão bem a este “terroir”! Diz-nos o produtor que “todos os vinhos tintos são transformados com pisa a pé” e por isso recorre à enologia de Francisco Montenegro, técnico com vasta experiência.

O Syrah tem 14% de graduação alcoólica, e estagiou durante dezasseis meses em barricas de carvalho francês. Diz-nos o produtor que tem “cor ruby profunda, com intensidade aromática, onde predominam bagas maceradas e especiarias com baunilha da madeira. Na boca evidencia corpo, boa acidez, sabores a fruta, taninos densos e elegantes e saboroso final.”

Diz um Provérbio Alemão que “Três copos de Syrah afugentam os espíritos malignos, mas com o quarto eles voltam!…” O Syrah da Quinta de Arcossó é daqueles Syrah que afasta de vez os espíritos malignos!
A partir de agora faz parte do leque dos grandes Syrah portugueses!

 

Classificação: 18/20                                                                Preço: 9,95€

Um ‘SMS’ com mais de 2000 anos

Uma curiosidade que encontrámos por aí, neste caso no site científico Plos, que fala de uma placa de cerâmica com inscrições manuais, entre outros dizeres, pedindo mais vinho!

Este achado arqueológico hebraico, com quase 2600 anos, foi encontrado na década de 1960, mas só agora alguns especialistas descobriram e decifraram a mensagem escondida na parte de trás. Este dito por nós SMS é pois uma mensagem escondida num óstraco, pedaço de cerâmica utilizado na época para registar informações, receitas ou listas, e na parte agora revelada trazia um singelo pedido: “Mande mais vinho”.

O autor da ordem foi o soldado hebreu Hananyahu, que escrevia para seu amigo Elyashiv, no ano 600 a.C. na região que hoje conhecemos como Israel. O recado estava assim atrás de uma peça descoberta em 1965. Os arqueólogos, porém, só haviam traduzido a parte da frente do óstraco. Agora foi descoberta a mensagem no verso do material, onde a tinta estava invisível. Utilizando tecnologia multiespectral, foram revelados três linhas ocultas, como mostramos acima.

O óstraco foi encontrado num local antes conhecido como a fortaleza de Arad, pertencente ao reino de Judá, império que foi destruído em 586 a.C pelos babilónios liderados pelo rei Nabucodonosor. Além do pedido por vinho, Hananyahu também informa a seu amigo que vai ajudá-lo no que for preciso, faz uma referência a um elemento desconhecido e comenta mais uma vez sobre bebidas alcoólicas.

Quem sabe se a tão desejada bebida era um Syrah… e será que o pedido chegou ao seu destino?


 

Cortes de Cima Syrah, Cortes de Cima, 100% Syrah, Alentejo, 2014

Quando há mais de um ano falámos da colheita de 2013 deste Syrah dissemos:
”É um Syrah exuberante! De uma complexidade aromática altiva e sublime. Um Syrah denso!”
Confirmamos de novo estas palavras com a colheita de 2014.
Este Syrah é a gama de entrada dos Syrah míticos de Cortes de Cima!
Depois de o provar, e se não conhecer os outros dois Syrah de Cortes de Cima, ou seja, o Homenagem a Hans Christian Andersen e o célebre Incógnito, não irá acreditar que se trata de um Syrah neste lugar da tabela.
Os nossos parabéns a Hamilton Reis, à sua equipa e, naturalmente, à dupla Hans e Carrie pela excelência deste produto!
O que será deste Syrah daqui a dois ou três anos? Como irá evoluir? Só pode ser para coisa ainda melhor!

Há sim um aspecto que queremos enfatizar: o preço elevado para a gama que representa. Respondem os representantes da propriedade com a história, com a procura e com as vendas que esgotam os stocks. Outros Syrah de qualidade têm preços bem mais simpáticos porque não se chamam “Cortes de Cima” e não carregam o fardo de terem sido o motor da implementação da casta Syrah no Alentejo e daí a projecção que ganhou no resto do país. Temos de aceitar a argumentação.

Este Syrah de 2014 tem uma graduação alcoólica de 13,5%. As uvas foram rigorosamente seleccionadas, e estavam num óptimo estado de maturação. Foram fermentadas sem engaço, a temperaturas controladas, com um alargado período de maceração das películas para melhorar o aroma a frutos e conseguir um bom equilíbrio e estrutura de taninos. Envelhecido durante 8 meses em barricas de carvalho francês (90%) e americano (10%) até altura do engarrafamento em Julho de 2014. As notas de prova falam de um modo geral de “aromas a frutos de bago escuro, cereja e ameixa, com complexas notas de terra e especiarias. Palato rico e firme, cheio de fruta madura.” Colheita, produção e engarrafamento na propriedade familiar.

Ao beber este Syrah sempre nos lembramos do poeta Luís de Camões que escreveu:
“Vinho, ardente licor que dá alegria.”
E não é que estas palavras se aplicam como uma luva a este Syrah?
No caminho certo para se tornar um topo de gama.
Impressionante!

 

Classificação: 17/20                                                                             Preço: 13,35€


 

Diga-me se bebe Syrah e saberemos quem é

Não é bem desta forma que se conhece a expressão generalista, que seria mais ‘Diz-me que vinho bebes dir-te-ei quem és!’, mas depois de conhecermos um artigo que fala sobre a forma como o estilo de vinho favorito revela um pouco da personalidade de cada um, decidimos que usar a palavra Syrah no título seria interessante.

Branco, Tinto, Rosé, etc: a preferência de cada um revela bastante sobre a personalidade do bebedor, de acordo com a pesquisa citada, que fala ser possível compreender uma pessoa a partir de uma bebida alcoólica.
Vejamos então.

AMANTE DE TINTOS
Sendo assim, os que preferem vinho tinto são mais confiantes, inteligentes e bem-sucedidos. Segundo o estudo, 81% dos bebedores desta variedade estão satisfeitos com o trabalho, 52% estão casados e 86% felizes em seus relacionamentos.

AMANTE DE BRANCOS
Já os que preferem vinho branco são tímidos, práticos e reservados. Destes, 81% acreditam que ainda não desenvolveram todo o seu potencial na carreira profissional. Quanto aos relacionamentos, 85% dos solteiros estão em busca de um parceiro, valorizando mais os amigos “cara a cara” que os virtuais.

AMANTE DE ROSÉS
Os apaixonados por vinho rosé adoram divertir-se usando o computador e a internet, e trocar comentários com os amigos em redes sociais. Ao contrário dos que preferem vinhos brancos, gostam de socializar e seu carácter é geralmente festivo. Com relação à carreira, preferem mudar de emprego com frequência.

Portanto, Syrah é tinto, logo somos confiantes, inteligentes, razoavelmente bem sucedidos, e felizes, assim como fiéis, nos nossos relacionamentos… Sobretudo com a casta Syrah!


 

Bombeira do Guadiana, Herdade da Bombeira, 100% Syrah, Alentejo, 2014

Uma nova colheita do Syrah alentejano produzido mais a sul que conhecemos.
De Mértola, Bombeira do Guadiana de seu nome.
Já tínhamos anteriormente apresentado a colheita de 2011 e a colheita de 2013!
Hoje apresentamos a colheita de 2014 que, apesar de ter um aspecto renovado por rótulos mais apelativos, é claramente a melhor colheita e isso reflecte-se na classificação final.

O enólogo é Bernardo Cabral como é habitual, a quem já demos o devido destaque, e foram produzidas 3500 garrafas por hectare, havendo 3,5 hectares de Syrah na Herdade da Bombeira. Tem uma graduação alcoólica de 15%. As notas de prova que escolhemos falam de um Syrahespeciado e bem maduro, algum chocolate, fruto intenso, boca com volume algum calor num final longo e picante. Um tinto com franqueza e generosidade de formas. Taninos sedosos e redondos, termina prolongado e medianamente persistente.

Um grupo de amigos, amantes da natureza, os proprietários da Herdade da Bombeira, entenderam em 1999 plantar 18 hectares de castas tintas, numa zona com solos privilegiados, onde logo se adivinhou um terroir de altíssimo potencial.
Em 2000 conclui-se a plantação, em 2003 produziu-se os primeiros vinhos, em 2005 o primeiro rosé, entre 2009 a 2011 é concluída a plantação de 3,5 hectares de uva branca e em 2012 é produzido o primeiro vinho branco. Numa procura constante de conhecer e compreender o potencial produtivo do terroir, pretende-se fazer evoluir os vinhos . O projecto tem tido o seu sucesso devido ao interesse constante dos clientes pelos vinhos da Herdade da Bombeira, que se situa no Concelho de Mértola, na margem direita do Rio Guadiana, a 3 quilómetros a sul dessa linda vila alentejana, estendendo-se ao longo de 2 quilómetros da sua margem.

A Herdade da Bombeira com os seus 700 hectares, possui uma várzea ao longo do rio com cerca de 20 hectares onde os solos de características xistosas se misturam com os aluviões do Rio Guadiana proporcionando as condições ideais para a implantação da Vinha. O Clima desta zona não sendo continental também não é de características marítimas. O mar fica a 50 quilómetros a Sul e a 100 quilómetros a Oeste mas a proximidade da Serra do Caldeirão e do Rio Guadiana tornam o clima mais ameno do que na generalidade das terras vinícolas do Alentejo. A influência do rio Guadiana é fundamental provocando um microclima que influencia a humidade relativa. Evita as geadas, faculta uma água com qualidade ímpar devido à corrente ecológica com origem na barragem do Alqueva.
As castas inicialmente escolhidas foram as alentejanas: Trincadeira e Aragonês, com cerca de 6 hectares cada e as internacionais: Cabernet Sauvignon e Syrah com cerca de 3,5 hectares cada. A plantação da vinha ocorreu nos anos 98 e 99 tendo sido vendidas no mercado as primeiras produções de uva. Após análise do comportamento das castas na zona e a conselho do enólogo residente Bernardo Cabral, decidiu-se em 2002 substituir, e muito bem na opinião do Blogue do Syrah, cerca de 2,5 hectares de casta Aragonês por Syrah, e em 2006 o restante por Alicante Bouchet cerca de 3,5 hectares.

O escritor Mário Quintana escreveu:
Por mais raro que seja, ou mais antigo,
Só um Syrah é deveras excelente
Aquele que tu bebes, docemente,
Com teu mais velho e silencioso amigo.
O Syrah da Herdade da Bombeira é um desses compostos mágicos, de fragrância meridional!

 

Classificação: 18/20                                                             Preço: 14,00€


 

Monte da Ravasqueira em destaque no Syrah Masters 2017

Esta foi a manchete que nos chamou a atenção!

Citando o Comunicado de Imprensa da própria empresa: O Monte da Ravasqueira Syrah Viognier 2013 acaba de conquistar uma medalha de ouro no Syrah Masters 2017, um concurso promovido pela prestigiada publicação europeia The Drink Business, que junta em competição dezenas de vinhos desta casta, provenientes das mais diversas regiões do mundo. Tendo sido o único vinho de origem portuguesa premiado, o Monte da Ravasqueira Syrah Viognier 2013 foi apontado como “surpreendente” pelo júri de 2017, composto por Masters of Wine como Emma Symington (Wine Australia), Patricia Stefanowicz (consultora) e Patrick Schmitt (The Drinks Business) e Masters Sommelier como Clément Robert (28-50 Wine Workshop & Kitchen) ou Matthieu Longuère (Escola de Hotelaria e Cozinha “Le Cordon Bleu”).

O Syrah Masters 2017, que decorreu Bumpkin, na Inglaterra, é uma competição que consiste numa prova cega que se divide em apenas duas categorias (estilo e preço), não estando a concurso a região.

Traduzindo a frase de abertura de um dos jurados, “Embora possa ser menos popular do que outras variedades de uvas vermelhas, Syrah ou Shiraz, é feito por produtores que realmente têm uma paixão pela casta, como as expressões dos nossos provadores demonstram e provam.

O nosso bem amado Monte da Ravasqueira aparece na categoria Oaked, Madeira, e na gama de preço £15-£20. O que foi uma surpresa foi a qualidade geral dos vinhos, resultando séries de pontuações muito altas. Houve poucos vinhos a decepcionar, sendo a casta Syrah uma variedade onde os consumidores realmente podem obter uma boa relação qualidade-preço e beber alguns vinhos verdadeiramente deliciosos.

Confessamos que não conhecíamos esta competição mas a partir de agora estaremos atentos ao desenrolar de futuras edições. E sempre com o jubilo de ver o nosso Syrah premiado entre os melhores do mundo. Porque é um dos melhores.

Estamos convencidos disso!