Category Archives: Alentejo

A região dos grandes Syrah portugueses…

Margarida, Margarida Cabaço, 96% Syrah, 4% Viognier, Alentejo, 2008

margarida_garrafa

Foi em Julho do ano passado que o Blogue do Syrah apresentou a sua análise e avaliação deste Margarida Syrah, que foi elevado à condição de topo de gama.
Hoje, um ano e três meses depois, e por especial sorte, pois conseguimos descortinar uma solitária garrafa numa garrafeira em Grândola, fazemos uma revisitação a este Syrah.
E não é que está ainda melhor que a edição anterior?!

img_4554

Na altura dissemos:
“Este Syrah de Margarida Cabaço, podemos dizer desde já, tem algumas particularidades únicas. Primeiro é o facto de ser um Syrah não a 100%, como é de nossa preferência, mas sim a 96%, já que os restantes 4% são Viognier, como é consensual. Mas espantoso é o facto de que as uvas Syrah de Estremoz abafam de tal modo a casta branca que esta passa despercebida comparativamente com outros Syrah cuja composição é semelhante.
Em segundo lugar é um Syrah que, sem ser a 100%, obtém da nossa parte a classificação de 18 em 20. Com nenhum outro Syrah nas mesmas circunstâncias tal tinha acontecido.
Finalmente é um Syrah feminino, e aqui a nossa vertente marialva tem de dar o braço a torcer: estas duas senhoras, Margarida Cabaço e Susana Esteban,  percebem do ofício da vinha melhor que muitos criadores de vinho do sexo oposto.”

esteban

E se percebem! O Margarida Syrah evoluiu de tal maneira que hoje está mais aguerrido, mais aromático, mais expressivo nos taninos, mais voluptuoso! Por isso não se admirem com a classificação! Nós aqui no Blogue do Syrah nem pestanejámos!

Margarida Cabaço é a produtora cujo nome é marca do topo de gama monovarietal que produz. Em cada ano é escolhida a casta que mostrou potencialidades capazes de fazer um grande vinho. Por exemplo o Margarida que se encontra no mercado com mais facilidade é o de 2009 feito a 100% da Alicante Bouschet. Em 2008 tinha cabido a vez ao Syrah. Safra única até agora pelo menos.
Temos viva esperança que a Margarida Cabaço decida fazer um Syrah da colheita de 2015! Se o fizer poderá, quiçá, igualar este Syrah 2008!
A enóloga de serviço é a Susana Esteban. Já falamos de outros Syrah feitos pela Susana e já a tínhamos apresentado aqui!

O Margarida Syrah 2008 foi vinificado em lagar e estagiado parcialmente em barricas de carvalho francês; fresco, fruta evidente, fumado, notas especiadas, estruturado ainda com os taninos por domar, final longo, gastronómico. Uma surpresa espantosa! As notas de prova dizem que se trata de um Syrah “complexo e austero, ameixa preta, especiarias. Muito carácter na boca vigorosa, seca, com sugestões de alcatrão e bagas esmagadas. Excelente acidez e frescura de conjunto.”  A graduação alcoólica é de 14,5% e teve uma produção de apenas 4.200 garrafas. Estagiou um ano em barricas de carvalho francês usadas.

“Em 2008 elegi a casta Syrah como base para este vinho. As uvas foram vinificadas em lagar com pisa pé e fizeram estágio em barricas de carvalho francês” palavras da própria Margarida Cabaço.
Luís Pato, o sr. Baga, nunca fez um Syrah mas a frase dele que aqui reproduzimos aplica-se às mil maravilhas a este Syrah. “Não se pode fazer Vinho ao acaso – a Qualidade é o que o consumidor gosta e paga.”

Só é mesmo pena que já não haja mais para consumir.
Ficamos assim à espera do próximo Margarida Syrah!

 

Classificação: 20/20                                                     Preço: 19,95€


 

Monte do João Martins, Miraldino Filipe Mendes & Cª, Lda, Reserva, 100% Syrah, Alentejo, 2012

martins_2012_garrafa

Em Junho de 2015 apresentamos o Syrah 2011 do Monte do João Martins. Hoje é a altura de apresentarmos a colheita de 2012, que já saiu há um ano e que desde essa altura conhecemos! Feito por um pequeno produtor, que temos sempre o prazer de reencontrar na Feira de pequenos produtores do Campo Pequeno!

O Monte do João Martins situa-se no Norte Alentejano, freguesia de Carreiras, entre Portalegre Castelo de Vide, e junto ao maciço da Serra de São Mamede, ponto mais alto de Portugal a sul do rio Tejo.

martins_vinha

Monte do João Martins, inserido numa região do nosso país culturalmente muito rica, guarda, entre os seus muros de pedra, segredos milenares. Escondidos entre o montado de sobreiros e formações rochosas, podemos observar desde logo alguns importantes vestígios megalíticos, como algumas mós neolíticas, onde se moíam os cereais para fazer farinha há milhares de anos. A par desse passado longínquo, falar do Monte do João Martins no presente, implica falar dos testemunhos da presença do homem nos nossos dias.

Com uma pequena área de vinha, 5,5 hectares, com castas tintas Touriga Nacional, Alicante Bouschet, Syrah e Aragonez e brancas, Alvarinho, Arinto e Viognier, fazem-se na adega que foi construída no Monte, os melhores vinhos de quinta brancos e tintos que têm merecido algum reconhecimento dos consumidores, bem como das revistas da especialidade.

Porquê o nome de João Martins?

João Martins, lavrador, nascido por volta de 1481 e morador nos “Montes do Carreiro” (hoje Carreiras, no concelho de Portalegre), foi nomeado em 1511 pelo rei D. Manuel I “besteiro do monte”, competindo-lhe assim a segurança da população residente no seu meio rural. A herdade que terá recebido o seu nome reserva, entre os seus limites, dos vestígios humanos mais remotos dessa parte do Norte Alentejano, entre os quais se destacam mós neolíticas, uma anta e restos de povoamento da Alta Idade Média, nomeadamente os denominados chafurdões. Possui ainda vestígios de construções mais recentes talvez do século XV.

martins_adega

E é neste monte do concelho de Portalegre que encontramos um Syrah de qualidade superior, em nosso entender, com uma produção limitada. É um Syrah com uma graduação alcoólica de14,5%, e as notas de prova dizem-nos que “é um vinho de aromas e frutos silvestres e especiarias. Na boca tem frutos pretos em harmonia com notas de baunilha e tostados. É equilibrado, perfil persistente e complexo.”  Estagiou 12 meses em barricas novas de carvalho francês. No Monte do João Martins o conceito de Reserva pretende seleccionar todos os anos a casta que melhor se evidenciou. A distinguida de 2011 é justamente a nossa casta Syrah!

martins_adega_2

A Adega está planificada de forma concisa e muito funcional. Tem uma forte ligação entre os métodos tradicionais de vinificação na região com a tecnologia necessária às melhores práticas enológicas disponíveis. Sendo a matéria prima, uva, tratada com o máximo respeito, as vindimas são feitas pela manhã em caixas  de 12 a 15Kg transportadas para a adega que se encontra lado a lado com a vinha. As vinificações são feitas em lagares de inox com temperaturas controladas. A adega possui também uma zona destinada ao estágio do vinho em barricas e também em garrafas.

“O bom Vinho alegra o coração dos homens”dizem as Escrituras, e o presente Syrah é um bom exemplo disso mesmo!

 

Classificação: 18/20                                                     Preço: 19,95€

martins_2012_ft


 

Herdade dos Lagos, Soc. Agrícola Herdade dos Lagos, Lda, 100% Syrah, Alentejo, 2006

lagos_garrafa

aqui tínhamos apresentado este Syrah da colheita de 2012. Hoje vamos apresentar a colheita de 2006! São dez anos de distância mas com um equilíbrio e um brio que são de realçar, ou não fosse um Syrah de Mestre António Saramago!

É um vinho feito em regime de agricultura biológica. Não tem químicos, nem pesticidas! Trata-se de vinho regional alentejano, cuja produção foi de 12000 garrafas. “Apresenta cor rubi intensa. Aroma frutado a ameixa madura. Cheio, redondo, complexo, boa acidez, terminando longo.” Em suma, qualidade plena e assegurada!
Foi vinificado pelo processo tradicional de curtimenta em lagares inox com temperaturas de fermentação a cerca de 28ºC. Teve  um estágio em barricas de carvalho francês e americano durante 12 meses. Apresenta um teor alcoólico de 14,5 %.
A transição para a produção biológica revelou ser um enorme desafio e uma das mais significativas mudanças na Herdade.

lagos_herdade

Em cerca de 25 hectares crescem as castas Syrah (a estrela internacional), Aragonez (conhecida na Espanha como Tempranillo), Touriga Nacional (uma uva tradicionalmente usada no vinho do Porto) e Alicante Bouschet (do intenso jogo decor).
Cerca de 70% do vinho é vendido para a Alemanha e também para a Suíça. O restante vai para o mercado nacional, onde não se trabalha com as grandes cadeias de supermercados, à excepção do Intermarché, mas há consumidores que adquirem os vinhos e o compram através das garrafeiras e dos restaurantes. Localizada próximo da localidade de Vale de Açor, na freguesia de Alcaria Ruiva, a Herdade dos Lagos perde-se de vista e por lá é possível encontrar gado e olival (80 hectares), além do maior alfarrobal de Portugal (260 hectares) e 25 hectares de vinha e onde trabalham a tempo inteiro doze pessoas.

lagos_herdade_2

Em 2011 saíram da herdade perto de 130 mil garrafas, num total de 100 mil litros de vinho, e nos anos seguintes a produção teve valores semelhantes, sendo que cerca de 70% se destina à exportação, sobretudo para a Alemanha e para a Suíça.

O pensador grego Plutarco dizia:
“No vinho, a verdade”.
E é bem o podemos afirmar!
E é por isso que continuamos a dizer:
“Olhe desculpe, importa-se de nos trazer mais uma taça de Syrah da Herdade dos Lagos?”

 

Classificação: 17/20                                           Preço: 9,95€


 

Alfaraz, Herdade da Mingorra, 100% Syrah, Alentejo, 2009

alfaraz_garrafa

Há um ano atrás apresentámos este Alfaraz Syrah de Beja. Hoje voltamos a falar dele. E porquê? Pois porque este tempo depois as diferenças são óbvias.
Está melhor!
Mais encorpado, mais aromático!
O que lamentamos mesmo é que desde 2009 a Herdade da Mingorra não voltasse a apostar em novos Syrah. Mas enquanto este durar é de aproveitar!

As notas de prova dizem-nos que “apresenta cor intensa, aroma acentuado a compotas de frutos vermelhos, acidez equilibrada, taninos firmes e persistentes.” Teve doze meses de estágio em madeira de carvalho francês. Tem uma graduação alcoólica de 14%.

Nas terras quentes do Baixo Alentejo, a escassos quilómetros da cidade de Beja, há uma das mais antigas culturas vitícolas da região. São vinhas com décadas de história, que Henrique Uva preserva e rentabiliza há anos, e as quais sempre quis valorizar como produtor independente. Em 2004 concretizou-se o sonho, com o projecto a dar pelo nome de Henrique Uva / Herdade da Mingorra. A Adega está devidamente enquadrada nos 1.400 hectares de uma paisagem que chega a ser exuberante, tal é a diversidade de culturas e fauna, com várias bacias hidrográficas a funcionarem como autênticos oásis. A Adega assume-se como um autêntico lugar de culto. Um espaço onde a modernidade e a funcionalidade convivem, de forma indelével, com as técnicas mais tradicionais.

alfaraz_herdade

Os registos comprovam que na propriedade há vinhas plantadas há quase 30 anos, uma salutar raridade na região. Em termos vitícolas, a área está distribuída da seguinte forma: 60 hectares de vinha velha, com cerca de 30 anos, das mais antigas de que há registo no Alentejo e das primeiras a serem plantadas e organizadas em talhões, aramadas e separadas por castas. Tudo com arte e rigor.

Napoleão Bonaparte dizia que  “O Syrah inspira e contribui grandemente para a alegria de viver”.
Essa vinho pode bem ser, entre outros e enquanto durar, um Syrah denominado Alfaraz!

 

Classificação: 16/20                                                     Preço: 9,95€

alfaraz_ft


 

Castelo de Arraiolos, Herdade das Mouras de Arraiolos, Alentejo, 2015

arraiolos_syrah

O Syrah do Castelo de Arraiolos é o terceiro Syrah de 2015, de que temos conhecimento, a ver a luz do dia! O anterior tinha sido o Herdade das Mouras de Setúbal . Mas há uma curiosidade extra: ambos foram elaborados pelo mesmo enólogo – Jaime Quendera!
É caso para dizer mais uma vez: “Este homem está em todas!”

Também se começa a tornar um padrão, este syrah de 2015 é superior ao seu congénere do ano anterior! As coisas são o que são. E o ano de 2015 está a sair verdadeiramente bombástico!

O consumo pode ser imediato ou durante os próximos 6 anos. A graduação alcoólica é de 13,5%. Seleccionámos as notas de prova  que falam de “um Syrah de cor vermelho rubi. O paladar é encorpado e com final de boca elegante.”

O projecto Adega das Mouras começou no ano de 2000, com a compra das terras por parte de um empresário de Lisboa, Henrique Neves dos Santos. A herdade tem na totalidade mais de 300 ha, estando uma grande parte ocupada com vinha. A herdade tem um verdadeiro mar de vinhas com mais de 226ha, sendo uma das três maiores vinhas contínuas da Europa, que ficou completa entre 2004/2005. As cepas mais velhas são de 2002, ano em que se começou a plantar a vinha que hoje lá existe. Entre 2000 e 2002 arrancou-se vinha para produção de uva de mesa que já lá existia e estudou-se o terroir específico da Adega das Mouras, de forma a preparar-se o solo para plantação de vinho e decidir-se as castas indicadas.

arraiolos_vinha

A Adega das Mouras de Arraiolos é um projecto empresarial privado. Localizada no município de Arraiolos, histórica Vila do Alentejo, conhecida pela sua tradição secular de fabrico de tapetes bordados à mão, com o mesmo nome da terra, a Herdade das Mouras de Arraiolos é um testemunho vivo de uma nova geração de produtores que enriquece as mais genuínas tradições.

Apesar de ser uma empresa ainda pouco conhecida no mercado, inclui as referências Castelo de Arraiolos, Conde de Arraiolos, Mouras de Arraiolos, Moira’s, Monte das Parreiras, Maria da Penha, Talha Real, Vinha da Mouras, Adegas das Mouras, entre outras. A aposta vai para a venda em quantidade nas grandes superfícies, não sendo por isso de surpreender que a adega tenha sido projectada, precisamente antes da vindima deste ano, para ter uma capacidade de produção de perto de 3 milhões de litros e de armazenamento cerca de 5 milhões.

Galeno, médico grego, dizia:
“O Vinho bebido sobriamente e com moderação é admirável remédio e única consolação do homem”.
O Syrah Castelo de Arraiolos é um Syrah jovem, não muito complexo, fresco, para um tinto, e com uma relação qualidade/preço difícil de igualar, mas em nosso entender superior ao seu congénere de 2014.
Valeu e estamos nele em força!

 

Classificação: 16/20                                                     Preço: 1,99€


 

Herdade das Mouras, Herdade das Mouras de Arraiolos, 100% Syrah, Alentejo, 2015

mouras_garrafa_2015

O Syrah da Herdade das Mouras é o segundo Syrah de 2015, de que temos conhecimento, a ver a luz do dia! O primeiro tinha sido o Vinhas de Pegões de Setúbal que  analisamos aqui. Mas há uma curiosidade extra: ambos de do mesmo enólogo – Jaime Quendera! É caso para dizer “Este homem está em todas!”

As notas de prova dizem que é “um Syrah de cor vermelho rubi. O aroma é de compota de frutas silvestres e especiarias. O paladar é encorpado e com final de boca elegante.” O consumo pode ser imediato ou durante os próximos 5 anos. A graduação alcoólica é de 13,5%. Este 2015 provavelmente ficará nos anais da história como um ano súpero em termos de Syrah, e vinho, produzido, pelo que já se vai vendo, a ainda falta ver muito!

O projecto Adega das Mouras começou no ano de 2000. A herdade tem na totalidade mais de 300 hectares, estando uma grande parte ocupada com vinha. A herdade tem um verdadeiro mar de vinhas com mais de 226 hectares, sendo uma das três maiores vinhas contínuas da Europa, que ficou completa entre 2004/2005. As cepas mais velhas são de 2002, ano em que se começou a plantar a vinha. Entre 2000 e 2002 arrancou-se vinha para produção de uva de mesa que já lá existia e estudou-se o terroir específico da Adega das Mouras , de forma a preparar-se o solo para plantação de vinho e decidir-se as castas indicadas.

mouras_vinha

A Adega das Mouras de Arraiolos é um projecto empresarial privado. Localizada no município de Arraiolos, histórica Vila do Alentejo, conhecida pela sua tradição secular de fabrico de tapetes bordados à mão, com o mesmo nome da terra, a Herdade das Mouras de Arraiolos é um testemunho vivo de uma nova geração de produtores que enriquece as mais genuínas tradições.

A aposta vai para a venda em quantidade nas grandes superfícies, que é onde este syrah pode ser encontrado, não sendo por isso de surpreender que a adega tenha sido projectada, precisamente antes da vindima deste ano, para ter uma capacidade de produção de perto de 3 milhões de litros e de armazenamento cerca de 5 milhões.

A nossa frase de hoje é de autor desconhecido, mas nem por isso menos significativa: “Um pouco de imaginação multiplica o encanto de beber Syrah.”
O Syrah da Herdade das Mouras é um Syrah novo, não muito complexo, fresco, para um tinto, e com uma relação qualidade/preço muito apreciável.

Mestre Quendera está mais uma vez de parabéns.
E já agora para que conste: a qualidade é bem superior em relação ao seu “irmão” do ano anterior.
Está obviamente aprovado… vamos a ele!!!

 

Classificação: 16/20                                                     Preço: 2,20€

mouras_ft