Tabernas do Alentejo – Arte e Ciência

Aqui estamos a dar o nosso apoio a um projecto muito interessante, que nos foi dado a conhecer pelos nossos amigos das Coisas de Vinho, do Alentejo, e trata-se da votação em curso para o Orçamento Participativo Portugal.

Para conseguirmos prosseguir com este projecto, chegados aqui, é necessário ter a votação que nos possibilite obter o orçamento que nos foi atribuído. Após a formulação do projecto/ideia por nós, foi a equipa do OPP que calculou o montante necessário, agora em votação, para a concretização da mesma. Depois de oito eventos, completamente pro bono, só continuaremos se houver este apoio.

Assim muito agradecemos a todos o esforço pessoal que possam fazer para conseguirmos o número de votos necessários.

Pela cultura e património vínico do Alentejo peça a todos os seus amigos que votem e passem a palavra a todos os amigos dos seus amigos, só assim será possível, com a constituição de uma rede informal de amigos, que a palavra chegue o mais longe possivel e se consigam votos necessários.

Este é o link que leva directamente à plataforma para votar!


 

 

Syrah e Resveratrol, uma vez mais

As páginas online da revista Nature estão plenas de referência a vinho e seus componentes benéficos. Mais uma vez é o famoso Resveratrol que nos tem a aqui a falar das suas propriedades anti-inflamatórias, nomeadamente a inflamação induzida por uma bactéria patogénica que está associada a doenças inflamatórias do trato respiratório superior, como a asma, doença pulmonar obstrutiva crónica e otite média.

O Resveratrol existente nas uvas induz vários processos que fornecem benefícios para a saúde, desenvolvendo agentes anti-inflamatórios novos e eficazes. O Resveratrol pertence a um grupo de compostos chamados polifenóis, que se acredita actuam como antioxidantes e protejam o organismo de danos. Há muito que este composto é considerado como um agente terapêutico de várias doenças, incluindo as doenças inflamatórias, por exemplo as causadas por um importante agente patogénico respiratório, o Haemophilus influenzae. No entanto a presença de uma determinada quantidade de inflamação é necessária e benéfica para as defesas do organismo contra as infecções bacterianas. É a inflamação descontrolada que conduz ao desenvolvimento de doenças inflamatórias, sendo as patologias do trato respiratório superior, como asma e a doença pulmonar obstrutiva crónica, responsáveis por mais de 500 milhões de pessoas em todo o mundo com inflamação crónica das vias superiores.

Os antibióticos são utilizados intensivamente no tratamento de infecções por aquele agente patogénico, mas devido ao número crescente de estirpes de bactérias resistentes a estes fármacos e ao sucesso limitado dos tratamentos disponíveis há necessidade de desenvolver terapias alternativas.

Os investigadores enfatizam a importância do Resveratrol como mediador pró-inflamatório nas células epiteliais das vias aéreas e nos pulmões dos ratinhos através do aumento de uma molécula (MyD88) que funciona como regulador negativo das vias de sinalização inflamatória. Estas descobertas podem ajudar no desenvolvimento de estratégias que tenham por alvo ou que aumentem a produção do MyD88.

E como Resveratrol é coisa que não falta num bom Syrah, vamos a ele, em nome da nossa saúde!

Congratulations, Vida Nova , Rosé Bruto, Adega do Cantor, 100% Syrah, Algarve, 2010

É o primeiro e o único, pelo menos até agora, espumante exclusivamente de Syrah feito em Portugal!

O Vida Nova Congratulations é da Adega do “Cliff Richard” Cantor, do Algarve, de 2010!
A expectativa era grande, também porque o Blogue do Syrah tem andado este tempo toda a tentar convencer produtores de Syrah a arriscarem produzirem um espumante, a 100% Syrah, de qualidade, até porque, e continuamos convencidos disso, há mercado interno para tal!

Falámos, por exemplo, várias vezes com António Saramago pai e António Saramago filho para se abalançarem a esse empreendimento. O Blogue do Syrah ajudaria como pudesse na divulgação de qualquer Syrah espumante. Sem sucesso, até ver! Eis quando, enfim, temos conhecimento, através da garrafeira d`Estado de Alma (quem havia de ser!) que havia este Syrah algarvio espumante. Mas infelizmente, como se costuma dizer, a montanha pariu um rato. A expectativa era elevada mas, na degustação, o entusiasmo esfumou-se completamente! Não queremos dizer que é mau… mas no mínimo é muito fraquinho. Só fica na história por ser o primeiro espumante Syrah e do ano de 2010! Trata-se de um brut rosé, feito pelo método “Champenoise” lançado para o mercado em Julho de 2011 e com um total de seis mil garrafas.

A Adega do Cantor fica situada na Guia, escassos quilómetros a noroeste de Albufeira, no centro do Algarve. Foi construída para produzir os referidos vinhos, a partir de três Quintas em redor: a Quinta do Moinho, a Quinta do Miradouro e a Quinta Vale do Sobreiro. O objectivo é produzir o melhor vinho que a região oferece, combinando técnicas de produção tradicionais com outras mais modernas e inovadoras. A Adega localiza-se no topo da Quinta do Miradouro e oferece vistas deslumbrantes sobre as vinhas e o mar. A par da produção de vinho, oferecem visitas guiadas às vinhas e adega, com provas, e a oportunidade de comprar vinho e uma diversidade de produtos de merchandising. Os vinhos reflectem o calor, cor e diversidade da região, acompanhando a fantástica cozinha local.

O Algarve é uma região excelente para a produção de vinhos frutados. As brisas do mar temperam o abrasador sol algarvio, enquanto os solos calcários limitam a água, criando as condições ideais para a maturação de uvas de alta qualidade para vinho. A maior parte do trabalho nas vinhas é feito manualmente. A gestão prossegue de uma forma sustentada, com utilização de produtos agrícolas suaves, num programa destinado a prevenir o aparecimento de eventuais doenças nas vinhas, evitando as formas mais agressivas de tratamento. A vindima é feita cuidadosamente à mão. Tudo em conformidade com uma política de produção de vinhos de excelência.

O poeta persa dos séculos XI e XII Omar Khayyan no seu poema Rubaiyat, tantas vez por nós citado, diz o seguinte:
“Vinho é amargo? Não importa! Tem o gosto da vida!
Todos os reinos por uma taça de vinho precioso.”
Não se pode dizer que este espumante seja precioso, mas pode ser o pontapé de saída para algo bem mais interessante. No deambular deste Verão caloroso, o Congratulations, fresquinho, bebe-se bem, ao som da canção e voz do dono!

 

Classificação: 14/20                                                Preço: 6,50€


 

Cheirar vinho ajuda na prevenção de doenças neuro-degenerativas

Mais uma ideia recolhida por aí, desta vez sobre o acto de cheirar esta bebida que tanto nos encanta a vida.

Cheirar vinho é sumo prazer! As fontes são diversas, os estudos são vários, e dizem por exemplo que o Sommelier tem mais desenvolvidas as áreas do cérebro relacionadas com o olfacto e a memória, o que ajuda na prevenção de doenças neuro-degenerativas, como Alzheimer e Parkinson. Os cientistas compararam um grupo de Sommeliers com um grupo de pessoas pouco relacionadas com o mundo do vinho, utilizando técnicas como ressonância magnética e questionários específicos, analisando a estrutura e função cerebral de cada participante. Nos Sommeliers as áreas do cérebro ligadas ao olfacto e memória estavam mais desenvolvidas e activas do que nas pessoas do outro grupo, o que pode ser essencial a longo prazo pois são zonas do cérebro que mais degeneram com o passar do anos.

Portanto treinar os sentidos com um bom Syrah, digamos, cheirando, sorvendo, degustando, até mesmo só olhar para a sua cor bela e profunda é fundamental para um bom viver, então se ajuda na degenerescência do nosso precioso cérebro ainda melhor. Nós no Blogue do Syrah, cheirar Syrah é um dos passatempos preferidos, agora vamos ver que tal vai ser a nossa neuro-degeneração!


 

Adega de Pegões, Cooperativa de Pegões, 100% Syrah, Setúbal, 2015

Apresentamos aqui mais um Syrah de Pegões, desta vez de 2015.
Este Syrah existe desde 2004, ano da primeira colheita. Daí para cá tem havido Syrah novo todos os anos, e assim esperamos que continue.
O presente é o que entrou agora no mercado!
A partir de 2011 o volume de garrafas produzidas fixou-se nas 20000. É um bom indicativo, quer da qualidade do produto em relação ao preço, quer da reacção positiva do consumidor português em relação a este Syrah. Reacção esta que por nós haverá de ser cada vez mais entusiasta e total. Estamos aqui para isso!

O enólogo é Jaime Quendera, responsável por estas notas de prova: ”Notas de frutos vermelhos/pretos muito maduros , notas de compota , volumoso na boca , final muito prolongado.” A cor é granada, a fermentação foi realizada em cubas de lagar inox com temperatura controlada seguida de maceração pelicular prolongada. O envelhecimento foi de 12 meses em pipas de carvalho americano e francês, seguido de 4 meses em garrafa, antes de ser lançado no mercado.

A Adega Cooperativa de Santo Isidro de Pegões, é o seu nome completo, é um verdadeiro colosso no panorama vitivinícola português! Produz 12 milhões de garrafas de vinho por ano, distribuídas por 48 referências, que é assimilado em 75% pelo mercado nacional. Os outros 25% são para exportar, praticamente para todo o lado. Apresentar aqui a lista de países nos diversos continentes em que os vinhos da Cooperativa de Pegões estão representados seria fastidioso, mas interessante, porque são algumas dezenas! A Península de Setúbal, região onde estão situadas as vinhas da Cooperativa de Pegões, assim como outras grandes herdades de que já aqui falámos e continuaremos a falar, é caracterizada por um microclima com óptimas condições climáticas, únicas onde se destaca os solos arenosos ricos em água e o clima Mediterrâneo com influência marítima devido à proximidade do mar. A perfeita harmonia destes elementos favorecem o desenvolvimento de castas nobres perfeitamente adaptadas originando vinhos de qualidade.

Eis portanto um bom Syrah, com uma boa relação qualidade/preço e que pode muito bem fazer justiça à frase de Winston Churchil:
“Tirei mais proveito do álcool do que o álcool tirou de mim”.
E isso acontecerá sempre que se beba o Syrah, este ou outro, com moderação!

O que interessa que fique para a história é o seguinte: quem beber Syrah da Adega de Pegões faz uma óptima escolha. Assim como dizemos!

 

Classificação: 17/20                                                   Preço: 4,99€


 

Enologia Neurológica

Isto de Syrah, e vinho em geral, tem que se lhe diga. A ciência mais complexa, para falar verdade, não passa muito ao lado do acto de fazer ou apreciar a bebida de Baco.

Chegou ao nosso conhecimento, em pesquisa pela Amazon, este livro de Gordon M. Shepherd, onde se afirma, surpreendentemente, que o cérebro cria o sabor do vinho. Esta abordagem da experiência sensorial do vinho baseia-se em descobertas da neuro-ciência, biomecânica, fisiologia humana e enologia tradicional. Shepherd demonstra como o cérebro cria o sabor, ilustrando claramente os fundamentos científicos deste processo, ao longo de todo o percurso sensorial, aumentando a nossa satisfação em apreciar um bom Syrah. É explicado, primeiro, como o vinho logo na boca começa a actuar sobre o cérebro, passando em seguida para a função do paladar retro-nasal e seu extraordinário poder na apreciação do mesmo. Shepherd explica, detalhadamente, como as vias sensoriais específicas do córtex cerebral criam a memória do vinho e como a linguagem é usada para identificar e imprimir as suas características.

Destinado a uma vasta audiência de leitores, desde simples apreciadores até ao sommelier, passando pelo gourmet ou chef mais experiente. A neuro-enologia mostra como a emoção do prazer é o juiz final na experiência do vinho. Inclui dicas práticas para uma degustação de vinhos, cientificamente fundamentadas, e fecha com um delicioso relato da experiência de Sheffield, saboreando os clássicos vinhos de Bordéus com o vinicultor francês Jean-Claude Berrouet do Chateau Petrus e Dominus Estate.

Portanto, degustar Syrah estimula beneficamente o cérebro, a par de actividades como ouvir música ou, até mesmo, lidar com um problema complicado de matemática, e de forma muito mais completa. As moléculas do vinho não têm aroma ou sabor, mas quando estimulam o cérebro, é este que o cria, da mesma forma que constrói a cor, por exemplo.

É com toda esta ciência na cabeça que vamos a caminho da próxima garrafa de Syrah, seja qual for o cientista!