Castelo de Arraiolos, Herdade das Mouras de Arraiolos, 100% Syrah, Alentejo, 2016

Mais uma colheita deste Syrah da Herdade das Mouras, de Arraiolos, do Alto Alentejo!
Jaime Quendera é o enólogo de serviço!
O consumo pode ser imediato ou durante os próximos 6 anos. A graduação alcoólica é de 13,5%. Seleccionámos as notas de prova que falam de um Syrah de cor vermelho rubi. O paladar é encorpado e com final de boca elegante”.

Estamos perante um Syrah novo, não muito complexo, fresco, para um tinto, e com uma relação qualidade/preço muito generosa. Gostámos muito como, aliás, já é costume com os Syrah de Quendera!

O projecto Adega das Mouras começou no ano de 2000, com a compra das terras por parte de um empresário de Lisboa, Henrique Neves dos Santos. A herdade tem na totalidade mais de 300 ha, estando uma grande parte ocupada com vinha. A herdade tem um verdadeiro mar de vinhas com mais de 226ha, sendo uma das três maiores vinhas contínuas da Europa, que ficou completa entre 2004/2005. As cepas mais velhas são de 2002, ano em que se começou a plantar a vinha que hoje lá existe. Entre 2000 e 2002 arrancou-se vinha para produção de uva de mesa que já lá existia e estudou-se o terroir específico da Adega das Mouras, de forma a preparar-se o solo para plantação de vinho e decidir-se as castas indicadas.

A Adega das Mouras de Arraiolos é um projecto empresarial privado. Localizada no município de Arraiolos, histórica Vila do Alentejo, conhecida pela sua tradição secular de fabrico de tapetes bordados à mão, com o mesmo nome da terra, a Herdade das Mouras de Arraiolos é um testemunho vivo de uma nova geração de produtores que enriquece as mais genuínas tradições. Apesar de ser uma empresa ainda pouco conhecida no mercado, inclui as referências Castelo de Arraiolos, Conde de Arraiolos, Mouras de Arraiolos, Moira’s, Monte das Parreiras, Maria da Penha, Talha Real, Vinha da Mouras, Adegas das Mouras, entre outras. A aposta vai para a venda em quantidade nas grandes superfícies, não sendo por isso de surpreender que a adega tenha sido projectada, precisamente antes da vindima deste ano, para ter uma capacidade de produção de perto de 3 milhões de litros e de armazenamento cerca de 5 milhões.

O poeta persa dos séculos XI e XII Omar Khayyan no seu poema Rubaiyat diz o seguinte:
“O vinho destrói os cuidados que nos atormentam e nos dá a quietude perfeita.”
Estamos nessa e este Syrah está aprovado!

 

Classificação: 16/20                                                                         Preço: 1,99€


 

As origens da casta Syrah – por Carole Meredith

Recebemos faz uns dias um e-mail de Eric Texier, conceituado produtor de Syrah em terras do Ródano, França ,  que agradecemos. Basicamente refere-se às origens da casta Syrah. Segundo ele, a verdade está neste texto, do qual enviou a ligação em formato pdf. Decidimos assim traduzir para português o dito artigo científico. Fica portanto o tema em aberto, à consideração dos nossos leitores, produtores de Syrah, especialistas sobre o tema, nacionais e internacionais.


CAROLE MEREDITH
As origens da Casta Syrah

O meu trabalho com a casta Syrah começou como uma busca intelectual. Mais tarde tornei-me também produtora de Syrah, o que para mim neste momento é uma outra paixão, ou seja, estou aqui hoje a usar dois chapéus, um como cientista e o outro como produtor.

Portanto vamos falar das origens do Syrah e sobre as muitas ideias que este tema tem suscitado. Houve até agora várias hipóteses, sendo a mais popular que a casta Syrah veio do Irão, onde existe uma cidade chamada Shiraz. Existem outras teorias: que veio do Egito, da Grécia ou de Chipre. Mas o que sabemos agora é que nenhuma destas ideias está correcta. Infelizmente, as pessoas que escrevem sobre vinho especulam bastante sobre estes temas, bastante interessantes, claro, mas agora temos o DNA.
DNA este muito menos fantasioso e menos divertido, mas pelo menos sabemos que é a verdade.

A casta Syrah nasceu em França!
Além de ser o lugar onde o Syrah se tornou mais conhecido, também é o lugar de origem do Syrah, porque é aqui que encontramos o progenitor da Syrah. E isto que significa exactamente? Como se sabe, as videiras são propagadas por estacas ou enxertos, logo, as diversas castas mantém a sua identidade ao longo da propagação, que acontece portanto de forma assexuada. Mas se voltarmos atrás na história de uma casta, muitos anos atrás, eventualmente voltamos ao ponto em que temos uma videira, e essa videira é a primeira de uma determinada casta. Desta forma, cada variedade, com pouca excepções, pode ser rastreada até uma única videira. Este é um conceito muito importante porque nos permite perguntar de onde vem essa primeira videira? E essa única videira original veio de uma semente. E essa semente veio de dois progenitores, como um ser humano. Todas as grandes castas possuem mãe e pai, e nascem de um processo sexual. Então, para cada variedade, quando voltamos nos muitos séculos de propagação vegetativa, eventualmente chega-se ao ponto em que podemos identificar os dois progenitores que se juntaram para criar essa nova variedade. É isso que nós andámos a pesquisar. Ao fazer análise de DNA, é possível identificar os pais, usando exactamente o mesmo processo que é usado com humanos.

Tal como se pode provar com um nível de probabilidade muito convincente, suficiente para satisfazer um tribunal de justiça, que dois seres humanos individuais sejam os pais de uma criança, podemos provar o mesmo com as variedades de uva. Já fizemos isso com outras videiras. O primeiro foi a Cabernet Sauvignon, em 1996. Desde então, encontrámos os pais de Chardonnay e uma série de outras variedades. Encontrados os progenitores, podemos traçar a genealogia dessa casta. Ajuda bastante encontrar o origem geográfica, conduzindo à identificação do momento em que uma variedade apareceu primeiro. Foi assim que fizemos com a Syrah.

E eu só quero mostrar-lhes o quão simples é o conceito. Como se sabe, cada progenitor na sua fusão sexual contribui com metade de sua informação genética. Procurámos pois combinações que nos ajudaram a identificar quais possam ter sido os pais que nos deram o perfil de DNA que observamos em determinada variedade para a qual estamos buscando os pais. Excepto que usamos muitos marcadores. Na maioria dos casos pelo menos 25 e, em alguns casos, até 50. Isso permite declarar  que combinação de pais poderia ter produzido uma prole particular. Em segundo lugar, e muito importante, devemos usar alguns métodos estatísticos para demonstrar que não só é possível, mas que é altamente provável. Esta análise estatística é muito importante, já que sabemos que só porque algo é possível não significa que realmente ocorreu. É somente quando adicionamos o teste estatístico de probabilidade que podemos encontrar um caso convincente.

Então, estes são os pais da Syrah: uma variedade chamada Mondeuse Blanche e uma variedade chamada Dureze. Mondeuse Blanche é a mãe e Dureze é o pai.

Testamos isso com 50 marcadores de DNA e cada um deles mostrou que essa relação é possível. Aplicámos o teste estatístico. A probabilidade de que esta combinação seja o verdadeiro parentesco da Syrah é a potência de 10 para 19. É um número muito, muito grande. Eu nem conheço a palavra para descrever esse número. Mas é um número muito maior que o usado em testes legais de parentesco. Portanto, do ponto de vista do método científico, podemos afirmar que de facto essas duas variedades são os pais da Syrah. Então, o que dizer dessas variedades? O que são e de onde vieram?

A casta Dureze é cultivada há muitos séculos, desde tempos imemoriais, existindo registos na literatura francesa antiga do norte do Ródano, sendo uma uva muito antiga do norte do Ródano. E em vinhedos antigos, muitas vezes foi encontrada em conjunto com Syrah. Dureze é uma variedade muito colorida que produz um vinho picante. Para quem conhece a uva Syrah, essas palavras são muito familiares, porque Syrah também é uma variedade profundamente colorida que produz um vinho picante. Hoje a Dureze já não se cultiva. O único lugar em que você pode encontrar é no Museu Nacional de castas em Montpellier. Muitas dessas castas já não existem hoje, e não fossem os pesquisadores franceses, há cerca de 100 anos atrás, que salvaram essas variedades antigas antes de serem perdidas, não teríamos sido capazes de fazer os estudos que fizemos.

O outro progenitor, Mondeuse Blanche, é uma uva branca. Não é incomum encontrar uma importante variedade de vinhos negros que tenha tido um pai branco. Acontece o mesmo com a Cabernet Sauvignon. Tem um pai branco, um pai preto. Mondeuse Blanche é uma variedade da região da Sabóia, na França, a leste do Ródano. Foi descrita na literatura histórica como um vinho que envelhece muito bem, como o Syrah. Hoje quase desapareceu, mas ainda se cultiva em alguns lugares. É importante notar que o Mondeuse Blanche não é a forma branca do Mondeuse Noir. Nós pensamos que estão relacionados, mas são variedades diferentes.

Então, quando nasceu exactamente a casta Syrah? O escritor romano Plínio escreveu que existia uma importante casta na região de Vienne, que é hoje a Côte-Rôtie. Ele escreveu que esta nova e importante variedade trazia muita fama aos vinhedos na região de Vienne, e com base no que outros escritores haviam escrito 50 anos antes, essa variedade aparentemente não existia meio século antes. Então provavelmente esta variedade surgiu no século I A.D. No entanto, não podemos ter certeza de que realmente foi Syrah. Pode ter sido Dureze, porque as variedades são tão parecidas que a descrição encontrada na literatura antiga não é específica o suficiente para nos dizer se era realmente Syrah.

Em que lugar de França nasceu exactamente a casta Syrah?
Claramente tal lugar é o vale do Ródano. Se olharmos para a região da França, podemos ver onde os dois progenitores são encontrados. Mondeuse Blanche cresceu na área a leste do Ródano e a Dureze mais para leste e norte. O único lugar onde a Syrah poderia ter nascido é nesta área, onde ambas as variedades existiam juntas no mesmo lugar. Se olharmos para a sobreposição, seria a região que hoje conhecemos como o norte do Ródano. É aproximadamente a localização do Hermitage, na Côte-Rôtie. Acho muito interessante ver que o centro de cultivo da casta Syrah hoje em dia é provavelmente o lugar onde nasceu há muito tempo. O seu centro de importância hoje não está longe de onde realmente nasceu.

Penso que é interessante concluir que, apesar de todas as hipóteses sobre as origens do Syrah, Pérsia antiga, Grécia, Egipto, Chipre, a sua origem primeira é o norte do Ródano. Fico portanto muito à vontade com esta conclusão, baseada em evidências científicas , que nos diz ser esta a casa mãe da casta Syrah.


 

Tabernas do Alentejo – Arte e Ciência

Aqui estamos a dar o nosso apoio a um projecto muito interessante, que nos foi dado a conhecer pelos nossos amigos das Coisas de Vinho, do Alentejo, e trata-se da votação em curso para o Orçamento Participativo Portugal.

Para conseguirmos prosseguir com este projecto, chegados aqui, é necessário ter a votação que nos possibilite obter o orçamento que nos foi atribuído. Após a formulação do projecto/ideia por nós, foi a equipa do OPP que calculou o montante necessário, agora em votação, para a concretização da mesma. Depois de oito eventos, completamente pro bono, só continuaremos se houver este apoio.

Assim muito agradecemos a todos o esforço pessoal que possam fazer para conseguirmos o número de votos necessários.

Pela cultura e património vínico do Alentejo peça a todos os seus amigos que votem e passem a palavra a todos os amigos dos seus amigos, só assim será possível, com a constituição de uma rede informal de amigos, que a palavra chegue o mais longe possivel e se consigam votos necessários.

Este é o link que leva directamente à plataforma para votar!


 

 

Syrah e Resveratrol, uma vez mais

As páginas online da revista Nature estão plenas de referência a vinho e seus componentes benéficos. Mais uma vez é o famoso Resveratrol que nos tem a aqui a falar das suas propriedades anti-inflamatórias, nomeadamente a inflamação induzida por uma bactéria patogénica que está associada a doenças inflamatórias do trato respiratório superior, como a asma, doença pulmonar obstrutiva crónica e otite média.

O Resveratrol existente nas uvas induz vários processos que fornecem benefícios para a saúde, desenvolvendo agentes anti-inflamatórios novos e eficazes. O Resveratrol pertence a um grupo de compostos chamados polifenóis, que se acredita actuam como antioxidantes e protejam o organismo de danos. Há muito que este composto é considerado como um agente terapêutico de várias doenças, incluindo as doenças inflamatórias, por exemplo as causadas por um importante agente patogénico respiratório, o Haemophilus influenzae. No entanto a presença de uma determinada quantidade de inflamação é necessária e benéfica para as defesas do organismo contra as infecções bacterianas. É a inflamação descontrolada que conduz ao desenvolvimento de doenças inflamatórias, sendo as patologias do trato respiratório superior, como asma e a doença pulmonar obstrutiva crónica, responsáveis por mais de 500 milhões de pessoas em todo o mundo com inflamação crónica das vias superiores.

Os antibióticos são utilizados intensivamente no tratamento de infecções por aquele agente patogénico, mas devido ao número crescente de estirpes de bactérias resistentes a estes fármacos e ao sucesso limitado dos tratamentos disponíveis há necessidade de desenvolver terapias alternativas.

Os investigadores enfatizam a importância do Resveratrol como mediador pró-inflamatório nas células epiteliais das vias aéreas e nos pulmões dos ratinhos através do aumento de uma molécula (MyD88) que funciona como regulador negativo das vias de sinalização inflamatória. Estas descobertas podem ajudar no desenvolvimento de estratégias que tenham por alvo ou que aumentem a produção do MyD88.

E como Resveratrol é coisa que não falta num bom Syrah, vamos a ele, em nome da nossa saúde!

Congratulations, Vida Nova , Rosé Bruto, Adega do Cantor, 100% Syrah, Algarve, 2010

É o primeiro e o único, pelo menos até agora, espumante exclusivamente de Syrah feito em Portugal!

O Vida Nova Congratulations é da Adega do “Cliff Richard” Cantor, do Algarve, de 2010!
A expectativa era grande, também porque o Blogue do Syrah tem andado este tempo toda a tentar convencer produtores de Syrah a arriscarem produzirem um espumante, a 100% Syrah, de qualidade, até porque, e continuamos convencidos disso, há mercado interno para tal!

Falámos, por exemplo, várias vezes com António Saramago pai e António Saramago filho para se abalançarem a esse empreendimento. O Blogue do Syrah ajudaria como pudesse na divulgação de qualquer Syrah espumante. Sem sucesso, até ver! Eis quando, enfim, temos conhecimento, através da garrafeira d`Estado de Alma (quem havia de ser!) que havia este Syrah algarvio espumante. Mas infelizmente, como se costuma dizer, a montanha pariu um rato. A expectativa era elevada mas, na degustação, o entusiasmo esfumou-se completamente! Não queremos dizer que é mau… mas no mínimo é muito fraquinho. Só fica na história por ser o primeiro espumante Syrah e do ano de 2010! Trata-se de um brut rosé, feito pelo método “Champenoise” lançado para o mercado em Julho de 2011 e com um total de seis mil garrafas.

A Adega do Cantor fica situada na Guia, escassos quilómetros a noroeste de Albufeira, no centro do Algarve. Foi construída para produzir os referidos vinhos, a partir de três Quintas em redor: a Quinta do Moinho, a Quinta do Miradouro e a Quinta Vale do Sobreiro. O objectivo é produzir o melhor vinho que a região oferece, combinando técnicas de produção tradicionais com outras mais modernas e inovadoras. A Adega localiza-se no topo da Quinta do Miradouro e oferece vistas deslumbrantes sobre as vinhas e o mar. A par da produção de vinho, oferecem visitas guiadas às vinhas e adega, com provas, e a oportunidade de comprar vinho e uma diversidade de produtos de merchandising. Os vinhos reflectem o calor, cor e diversidade da região, acompanhando a fantástica cozinha local.

O Algarve é uma região excelente para a produção de vinhos frutados. As brisas do mar temperam o abrasador sol algarvio, enquanto os solos calcários limitam a água, criando as condições ideais para a maturação de uvas de alta qualidade para vinho. A maior parte do trabalho nas vinhas é feito manualmente. A gestão prossegue de uma forma sustentada, com utilização de produtos agrícolas suaves, num programa destinado a prevenir o aparecimento de eventuais doenças nas vinhas, evitando as formas mais agressivas de tratamento. A vindima é feita cuidadosamente à mão. Tudo em conformidade com uma política de produção de vinhos de excelência.

O poeta persa dos séculos XI e XII Omar Khayyan no seu poema Rubaiyat, tantas vez por nós citado, diz o seguinte:
“Vinho é amargo? Não importa! Tem o gosto da vida!
Todos os reinos por uma taça de vinho precioso.”
Não se pode dizer que este espumante seja precioso, mas pode ser o pontapé de saída para algo bem mais interessante. No deambular deste Verão caloroso, o Congratulations, fresquinho, bebe-se bem, ao som da canção e voz do dono!

 

Classificação: 14/20                                                Preço: 6,50€


 

Cheirar vinho ajuda na prevenção de doenças neuro-degenerativas

Mais uma ideia recolhida por aí, desta vez sobre o acto de cheirar esta bebida que tanto nos encanta a vida.

Cheirar vinho é sumo prazer! As fontes são diversas, os estudos são vários, e dizem por exemplo que o Sommelier tem mais desenvolvidas as áreas do cérebro relacionadas com o olfacto e a memória, o que ajuda na prevenção de doenças neuro-degenerativas, como Alzheimer e Parkinson. Os cientistas compararam um grupo de Sommeliers com um grupo de pessoas pouco relacionadas com o mundo do vinho, utilizando técnicas como ressonância magnética e questionários específicos, analisando a estrutura e função cerebral de cada participante. Nos Sommeliers as áreas do cérebro ligadas ao olfacto e memória estavam mais desenvolvidas e activas do que nas pessoas do outro grupo, o que pode ser essencial a longo prazo pois são zonas do cérebro que mais degeneram com o passar do anos.

Portanto treinar os sentidos com um bom Syrah, digamos, cheirando, sorvendo, degustando, até mesmo só olhar para a sua cor bela e profunda é fundamental para um bom viver, então se ajuda na degenerescência do nosso precioso cérebro ainda melhor. Nós no Blogue do Syrah, cheirar Syrah é um dos passatempos preferidos, agora vamos ver que tal vai ser a nossa neuro-degeneração!