Tag Archives: portugal

Quinta do Sobreiró de Cima, Sociedade Agrícola Comercial SA, 100% Syrah, Trás-Os -Montes, 2010

garrafa

(Informação actualizada)

Há dois Syrah em Trás –os-Montes. O da Quinta de Arcossó, de que já falámos, e este da Quinta do Sobreiró de Cima, de que vamos falar hoje, em Valpaços. São os dois especiais. E é com muito prazer que o fazemos. Embora nem tudo sejam rosas. Vamos à explicação.

O Syrah da Quinta do Sobreiró de Cima, que se pode encontrar na grande Lisboa em três sítios distintos, dos quais destacamos a garrafeira Estado de Alma, é um Syrah com 14,5% de graduação alcoólica, tratando-se de um  vinho de “cor granada concentrada, um aroma confitado a lembrar fruta preta muito madura, alguma especiaria, com toque balsâmico da casta, na boca é muito cheio, aveludado com os taninos presentes e com um final longo e persistente.” Depois duma exposição destas quem é que não ficou com vontade de o provar?

E depois de o provar vai ficar amigo dele…ou cliente!

É dum anónimo o seguinte poema intitulado justamente:

CLIENTE, MEU AMIGO
Lembre-se que quatro copos fazem um litro e que dois litros fazem uma rodada.
Duas rodadas uma discussão e uma discussão uma briga.
Uma briga uma pancadaria e uma pancadaria dois policiais.
Um juiz, um escrivão e um oficial de justiça efetuam uma multa ou alguns dias de prisão, mais as despesas do processo.
As despesas levam à ruína, a ruína ao suicídio, o suicídio à morte.
A morte deixa viúvas alegres e lindas mães satisfeitas.
Fora isso, venha aqui,
beba moderadamente,
pague honradamente
e saia amigavelmente.
Volte para a sua casa tranquilamente
e beije com carinho sua mulher
pensando nas dos outros.

logo

No princípio do texto dissemos que em relação a este Syrah “nem tudo são rosas” e é verdade. Não, em relação ao Syrah em si, que é de qualidade evidentíssima, mas em relação ao tipo de divulgação que a Sociedade Agrícola Comercial SA utiliza. E qual é? Nenhuma! Absolutamente nenhuma! E depois não nos venham gritar que o “negócio” está em crise! Esta sociedade detentora do Syrah Quinta do Sobreiró de Cima, não tem site, não tem blogue, não tem sequer Facebook, não está presente em nenhuma outra rede social. Não há nada em discurso directo sobre esta sociedade e este Syrah. O que há é em sítios informativos, o nome da sociedade, a morada nº de telefone e nº de fax. Mais nada! Aliás, diga-se em abono da verdade que conseguimos não um mas dois números de telefone da rede fixa. Durante três dias telefonámos para lá a diversas horas de expediente habitual duma empresa, de manhã, antes e imediatamente a seguir ao almoço, a meio da tarde… e nada! Os telefones não funcionam! Como é que é possível deste modo o público consumidor e amante de Syrah, e deste em particular, ter informação para além do que vem na garrafa? É muito difícil desta forma escrever sobre este Sobreiró, só não dizemos impossível porque pelo menos a região de onde vem está cheia de história, e de histórias.

Falemos pois de Valpaços, região onde é produzido este Syrah.

Inúmeras vinhas velhas que pareciam condenadas ao abandono estão hoje na base do renascimento dos vinhos de Valpaços, famosos desde os tempos do império romano.

Os vinhos de Valpaços, região de Trás-os-Montes, andam há muito tempo arredados do panorama mediático. Seguiram o mesmo declínio do interior do país, fossilizando-se pouco a pouco. Nunca deixaram de ser produzidos, mas a base de consumo foi-se estreitando e confinando-se praticamente ao mercado local e regional. No entanto, estamos a falar de vinhos com mais de dois mil anos de história, muito apreciados no tempo do império romano, existindo até a tese de que o nome de Valpaços estará relacionado com o vinho “passum“, o vinho doce pelo qual os romanos nutriam especial predilecção. Desse tempo, ainda subsistem no concelho alguns lagares esculpidos na rocha, naquela que é uma das maiores colecções de lagares romanos do mundo.

Hoje já ninguém faz vinho na pedra. Nos últimos anos, num movimento extensivo a outras zonas de Trás-os-Montes, vários produtores passaram a olhar mais longe e a produzir vinho de forma moderna. Recuperaram lagares antigos, construíram um ou outro de raiz e passaram a engarrafar o vinho com marca própria. Ainda são pouco conhecidos, mas alguns deles vão dar que falar, se conseguirem ser perseverantes e não desperdiçarem o melhor que têm: vinhas centenárias, castas bem adaptadas ao lugar, solos ideais para a cultura da vinha e cotas que garantem vinhos maduros mas ao mesmo tempo frescos. E por favor, não se esqueçam de fazer divulgação e partilhar informação.

As condições naturais do concelho são de tal forma ideais que no final da monarquia ainda foi equacionada a inclusão de Valpaços na região do Douro. A ideia não vingou e a vizinhança da região duriense, com o seu peso e prestígio, foi passando factura aos vinhos produzidos nas encostas do rio Rabaçal. Actualmente, a situação é mais favorável. A padronização crescente do vinho abriu novas oportunidades a regiões menos conhecidas e originais e as alterações climáticas estão a elevar a cultura da vinha para cotas mais altas e frescas. Castas como a Tinta Roriz, que no Douro produz fracos resultados nos vinhos tranquilos, podem originar vinhos magníficos em Trás-os-Montes, tirando partido da maior altitude.

No caso de Valpaços, além da Roriz, as castas com mais tradição são o Bastardo, a Tinta amarela (nos tintos), o Gouveio, a Códega do Larinho e a Malvasia Fina (nos brancos). Nas vinhas novas, começa a ganhar relevo a Touriga Nacional (com grandes resultados) e a Touriga Franca (a par de uma ou outra casta estrangeira, como a nossa Syrah, naturalmente).

Para mais conhecer mais sobre esta zona vinícola e não só, recomendamos uma visita à Adega Cooperativa de Valpaços, onde sim existe muita informação sobre a região.

Sabemos que este Syrah tem pernas para andar e continuar, e esperemos que assim prossiga!
É que seria uma pena não o encontrar mais: a classificação que lhe damos diz tudo!

Classificação: 17/20                            Preço: 12,50€

sobreiro_ft


 

António Saramago, o enólogo do Syrah

saramago_ok

Há o Saramago das letras e há o Saramago do syrah!

Há pessoas que ao ler o título deste texto, já nos estão a querer crucificar por um título demasiado restritivo quando se fala desta figura ímpar no panorama vitivinícola português. O engenheiro António Saramago não é somente o enólogo do syrah, obviamente. É um mestre, que leva décadas tratando o vinho por tu, todo o tipo de vinhos, desde os tintos de várias castas, aos brancos, aos moscatéis, em Setúbal, no Alentejo, etc, etc.

Mas é preciso dizê-lo frontalmente: falamos dele porque fez vários syrah de qualidade. E só estamos a falar dele por causa dos Syrah, o nosso tema de eleição. Haverá outras pessoas que poderão estar a pensar que o engenheiro António Saramago não é o único a fazer syrah de qualidade. É verdade que não. Poderão pensar no Hans Kristian Jorgensen enólogo e proprietário de Cortes de Cima que tem no seu currículo três syrah de suprema qualidade (que ainda não tiveram o espaço a que têm direito no Blogue do Syrah mas lá chegaremos) ou outros, como José Bento dos Santos, proprietário da Quinta do Monte d´Oiro, que tem no seu currículo não um, não dois, não três mas vários syrah produzidos nesta quinta de Lisboa.

Mas apesar da mestria na feitura de syrah por estes dois mestres, António Saramago fez vários Syrah de qualidade um pouco por todas as empresas e Herdades por onde passou e isso faz uma diferença acrescida em relação aos mencionados. Vamos dar quatro exemplos:

Aldeias de Juromenha, 100% Syrah.

Tapada dos Coelheiros, 100% Syrah.

Herdade dos Lagos, Reserva, 100% Syrah.

Herdade do Meio, 100% Syrah. (esgotado)

António José Ribeiro Saramago nasceu em Vila Nogueira de Azeitão a 27 de Março de 1948.

Desde muito cedo que demonstrou paixão pelo mundo do vinho, não sendo alheia a influência do seu pai, José Maria Saramago, adegueiro na empresa José Maria da Fonseca durante 42 anos.

Essa paixão leva-o a abandonar o curso industrial de mecânica e a ingressar, no ano de 1962, no laboratório da José Maria da Fonseca, pela mão do Engº António Porto Soares Franco, uma das referências da enologia portuguesa da altura.

Em 1973, passa a chefe de serviço do Departamento de Enologia da Empresa, tendo como consultor o Prof. Manuel Vieira, outro grande mestre da enologia nacional e docente no Instituto Superior de Agronomia.

Em 1974, parte para França, onde inicia a sua formação em Enologia, Viticultura, Conservação e Estabilização de Vinhos, na prestigiada Faculdade de Enologia da Université Victor Segalen – Bordeaux 2.

Em 1982, é convidado para enólogo responsável da Cooperativa Agrícola de Granja, onde tem um papel preponderante na modificação da estrutura da adega e do perfil dos vinhos, destacando-se os famosos “Garrafeira Granja/Amareleja” e “Terras do Suão”, galardoados a nível nacional e internacional.

Em 1991, fruto do seu sucesso com os vinhos da Granja, é convidado para trabalhar na Adega Cooperativa do Fundão. Aí, deixa também a sua marca, transformando os vinhos “Praça Velha” numa referência nacional.

Nesse mesmo ano inicia aquele que é, talvez, o seu projecto mais emblemático –Tapada de Coelheiros.

Ao desafio de Joaquim e Leonilde Silveira de criar uma empresa de referência no Alentejo, António Saramago respondeu com um conjunto de vinhos que, pela sua qualidade, se tornaram uma marca do próprio Alentejo.

É a partir deste momento que a sua carreira adquire maior reconhecimento mediático, quer na imprensa especializada, quer na própria enologia portuguesa, permitindo-lhe abraçar outros projectos em várias regiões do país.

Com mais de 200 prémios conquistados, muitos dos seus vinhos têm sido sobejamente apreciados pela imprensa nacional e internacional da especialidade, destacando-se nesta última Jancis Robinson e Robert Parker.

Considerando que “os grandes vinhos começam na vinha” e que “todo o seu sucesso resulta de um trabalho de equipa”, a sua versatilidade permitiu-lhe criar vinhos produzidos em regiões tão distintas como a Bairrada, Beira Interior, Ribatejo, Península de Setúbal e Alentejo, sendo por isso considerado como uma das referências da enologia portuguesa contemporânea.

No ano de 2000, associa-se a Joaquim Teixeira da Costa para criar o projecto Porto da Bouga Vinhos. Exclusiva do grupo Jerónimo Martins, nasce a marca Herdade do Porto da Bouga Reserva que, com o passar dos anos se posiciona como um dos vinhos mais vendidos pela cadeia Pingo Doce, especialmente devido a uma espectacular relação qualidade-preço.

saramago_fam

Em 2002 cria a empresa António Saramago-Vinhos, juntamente com a sua esposa Ausenda e os seus dois filhos, Nuno e António.

Em 2008 é distinguido como “Enólogo do Ano” pela revista Néctar.

Em 2009, internacionaliza a sua carreira levando para o Brasil toda a sua arte e conhecimento, através do projecto “Além Mar”, da Vinícola Villaggio Grando, no estado de Santa Catarina.

Em 2011 distingue-se como o melhor enólogo português no ranking “Top Winemaker” do concurso Wine Masters Challenge.

Em 2012 comemorou 50 anos de carreira.

É confrade membro da Confraria dos Enófilos do Alentejo e da Confraria dos Enófilos da Beira Interior.

É membro fundador da Associação Portuguesa de Enologia.

É um dos maiores especialistas a fazer Syrah em Portugal!


 

Aldeias de Juromenha, Herdade das Aldeias de Juromenha, 100% Syrah, Alentejo, 2010

garrafa

Apresentamos hoje mais um Syrah de peso, e que ganhou duas medalhas de ouro em 2010 e 2011 no já célebre concurso internacional “Syrah du monde”, o mais prestigiado concurso exclusivamente dedicado à casta Syrah. Um concurso vale o que vale, não substitui o gosto pessoal do consumidor, mas não deixa de ser uma indicação de qualidade. Nos Syrah como noutras coisas os milagres não existem. Se o Syrah da Herdade das Aldeias de Juromenha ganhou duas medalhas de ouro, no “Syrah du monde” é porque é mesmo bom!

As notas de prova dizem-nos que se trata de um Syrah de “cor retinto, aroma frutos vermelhos e compota, bons taninos, volumoso, equilibrado com boa acidez que lhe permite ter longevidade.”

Em conversa com o José Caldas, da área comercial da Herdade mas mostrando estar em condições de responder às nossas interrogações, ficamos a saber que o Syrah se produz desde 2005 e que já está no mercado o de 2011. Nestas últimas safras têm sido produzidas 13000 garrafas e agora vem a grande revelação: todas as garrafas são dedicadas ao mercado interno!!! O Syrah da Herdade das Aldeias de Juromenha é todo comercializado em Portugal. Para um Syrah português é uma situação bastante rara. Com o tempo esperamos que esta situação mude e que se possa dizer dentro de pouco tempo que toda uma safra de Syrah que se vende no mercado interno será algo de bastante natural. Seria um bom sinal!

Depois de 2005, veio a safra de 2007, 2008, 2009,e 2010, sendo estas últimas duas as que motivaram este texto! O José Caldas frisou bem que o syrah era sempre reserva, ou seja, dez meses de estágio em barricas de carvalho francês e americano e com uma graduação alcoólica de 14%. A safra de 2010 foi em parte já vendida para a China. A de 2011 está no mercado e no fim de 2015 sairá a safra de 2012. A de 2013 sairá no fim de 2016 e a de 2014 sairá no fim de 2017. Já temos garantido Syrah de qualidade para os próximos anos!

Outro feito que o Syrah da Herdade das Aldeias de Juromenha realizou foi o de ter ficado em segundo lugar como o segundo vinho mais vendido nos supermercados Pingo Doce em 2010 tendo ficado em primeiro lugar um vinho do Douro da casa Ferreirinha – o Papa Figos.

A Herdade das Aldeias é uma empresa agrícola situada a cerca de 15km da Cidade de Elvas e junto da Vila de Juromenha com vista para o Rio Guadiana. Está inserida numa zona histórica com grande tradição na arte de fazer vinho. Este projecto em particular está em desenvolvimento desde 1986.

A adega está rodeada por 70ha de vinha própria. Este sistema promove um aumento na eficiência na vindima, uma vez que reduz o tempo desde a colheita até ao processamento das uvas. No conjunto da vinha estão plantadas predominantemente castas autóctones portuguesas, encontrando-se, também, algumas castas francesas. No que se refere a uva tinta existe Trincadeira, Aragonês, Alicante Bouschet, Cabernet Sauvignon, Syrah e Touriga Nacional.

O clima é caracterizado por uma Primavera e Verão excessivamente quentes e secos. A exposição solar regista também valores bastante altos, em particular nas semanas anteriores à vindima, condições que contribuem para uma perfeita maturação das uvas.

De facto as condições são extremamente favoráveis à síntese e acumulação de açucares e concentração de aromas e cor na película da uva. A bacia hidrográfica é dominada pelo Rio Guadiana e o tipo de solo é predominantemente xistoso.

vinha

Na vinha a produção é controlada para obter entre 7 a 8 toneladas por hectare. Utilizando este método de produção garante-se uma excelente qualidade dos vinhos. Na poda utiliza-se o método manual, na colheita é utilizado o método manual e mecânico.Todo o vinho é produzido a partir de uva colhida na Herdade das Aldeias. No que respeita à vinificação segue-se o processo tradicional em cubas de inox com controlo de temperatura. A maioria dos vinhos tintos estagia em barricas de carvalho francês e americano. Todos os processos desde a vinificação até ao engarrafamento são realizados nas instalações.  No engarrafamento são utilizadas rolhas de cortiça natural portuguesa.

A produção actual é de cerca de meio milhão de litros por ano, tendo uma capacidade de armazenamento de 600.000 litros.Todos os processos desde a vinificação até ao engarrafamento são realizados nas instalações da adega.

Um Syrah a ter sempre presente, com direito a quadra popular:

Priere du Bordelais
(poema popular francês)

Mon Dieu…
Donnez moi la santé pour longtemps
De l’amour de temps en temps
Du boulot, pas trop souvent
Mais du bordeaux tout les temps.

 Tradução e adaptação do Blogue do Syrah

Prece do amante de Syrah

Meu Deus…
Dá-me a saúde por muito tempo
Amor de vez em quando
Trabalho, não muitas vezes
Mas Syrah todo o tempo!

Classificação: 17/20                                           Preço: 9,00€

ft


 

Vale de Lobos, Quinta da Ribeirinha, 100% Syrah, Tejo, 2011

garrafa

Antes de vir aqui falar deste Vale de Lobos, começámos por ter uma agradável e muito proveitosa conversa com Rui Cândido, administrador da Quinta da Ribeirinha, localizada na Póvoa de Santarém, e produtora do syrah Vale de Lobos. O ano analisado é o de 2011, embora, como previamente referimos na nossa secção de “Novidades”, já tenha saído a safra de 2013, que, apesar de ainda não a conhecermos, nos deixou bastante satisfeitos. Ao contrário de outros syrah portugueses que da mesma maneira que apareceram logo desapareceram deixando pouco rasto, o Vale de Lobos já mostrou que está para durar e além do mais com grande qualidade!

A vinificação realiza-se com vindima manual. As uvas, previamente seleccionadas com um rigoroso controlo de maturação, foram a seguir devidamente desengaçadas. Fermentou na cuba rotativa, onde se procedeu à curtimenta após a fermentação alcoólica. O resultado tem 14 % de graduação alcoólica e segundo o produtor “veste granada intenso e toca alguns instrumentos, saltando notas a baunilha, especiarias e ligeiro torrado num tom elevado.”

O syrah Vale de Lobos existe desde a safra de 2001, e teve mais cinco até 2013: 2003, 2005, 2008 e 2011. Nas primeiras safras a produção era de 6000 garrafas. As últimas foram já de 10000!

A paixão pelo vinho e a dedicação constante à actividade vitivinícola vem atravessando a família Cândido desde há várias gerações. José Cândido, o patriarca da Família, desenvolveu desde cedo a actividade profissional como agricultor, tendo sido o vinho a sua principal paixão e fonte de rendimento. Como produtor de vinhos, naturalmente, de uma forma por vezes empírica, desempenhou múltiplas funções ao longo do processo: viticultor, vinificador, armazenista e por fim, vendedor. Era unicamente sua a responsabilidade pela qualidade do vinho produzido assim como o contacto com os apreciadores os seus potenciais clientes. Mais tarde, já em 1995, a actividade de José Cândido teve um novo desenvolvimento; o seu filho Joaquim Cândido, médico, igualmente um apaixonado pela vitivinicultura, decidiu apoiar a actividade do Pai prosseguindo com a plantação de novas áreas de vinha, construindo uma adega própria e, acompanhando a evolução tecnológica, aplicando métodos científicos no processo de produção.

Pouco tempo depois, dois dos seus filhos, Mariana e Rui, respectivamente economista e bioquímico de formação, completaram a equipa, que hoje assume as funções de administração da empresa.

A Quinta da Ribeirinha tem hoje um corpo fixo de mais de 15 trabalhadores, reunindo competências e experiência nas várias vertentes: na produção na vinha, na transformação na adega, no engarrafamento e embalagem e nas áreas de gestão e comercialização.

As vinhas estão plantadas em solo argilo-calcário, clima mediterrâneo seco com exposição da vinha a sul. As vinhas crescem em sistema de produção integrada em que o uso dos químicos é mínimo, salvaguardando assim o ambiente e a saúde humana. A quinta encontra-se num processo de reconversão gradual da vinha velha de forma a melhorar a qualidade e a produção.

As castas existentes são Trincadeira Preta, Touriga Nacional, Aragonez, Fernão Pires, Verdelho e Alicante Bouchet. Com menor dimensão a Quinta da Ribeirinha tem uma variedade significativa de castas em talhões individualizados, tais como o Syrah, Cabernet Sauvignon, Merlot, Petit Verdot, Sauvignon Blanc,Chardonnay e Gewurztraminer.

Segundo os dados simpaticamente fornecidos pelo Rui Cândido, a Quinta da Ribeirinha produz no total meio milhão de litros de vinho por ano em que somente 10% é destinado ao mercado interno. No caso do “nosso” syrah a percentagem é ainda menor. Somente 5% está destinado ao consumo interno.

No sentido de acompanhar a tendência para a internacionalização da economia, a empresa preocupou-se desde cedo na criação de parcerias nos mercados externos com vista à exportação dos seus produtos.

Os principais destinos dos vinhos da Quinta da Ribeirinha têm sido sobretudo no continente americano, com particular ênfase para Brasil, Canadá e E.U.A. e no continente africano, Angola, Cabo Verde, Guiné e S. Tomé e Príncipe. Mais recentemente a quinta alargou os seus mercados para a China.

No que respeita ao mercado Europeu as exportações estão distribuídas por vários países, tais como Alemanha, Bélgica, Holanda, Polónia, Noruega, Inglaterra, França e Espanha.

E por falar em Espanha vem a propósito aquele provérbio espanhol que diz que “para o vinho ter gosto de vinho, deve ser tomado com um amigo”.

No mercado interno, a Quinta da Ribeirinha tem comercializado os seus produtos através de uma rede de pequenos distribuidores podendo encontrar os vinhos da Quinta na grande maioria dos restaurantes da região de Santarém, bem como noutras regiões do país mas sempre ao nível da restauração. A primeira e única vez que o encontrámos foi precisamente numa área de serviço por ali perto, na auto-estrada Lisboa-Porto.

Era importante que o Vale de Lobos syrah pudesse também estar em garrafeiras nomeadamente de Lisboa, porque ficaríamos todos a ganhar, tendo em conta a qualidade que este syrah já mostrou e as possibilidades de crescimento!
Valeria a pena!

Classificação: 16/20                                           Preço: 13,00€

ft


 

Vale de Lobos, 100% syrah, Lisboa 2013

Em conversa com a Quinta da Ribeirinha ficámos a saber que foi lançado faz um mês o novo Vale de Lobos de 2013. Nos próximos dias iremos falar sobre este syrah e esta Quinta.


 

CEM REIS, Herdade da Maroteira, 100% Syrah, Alentejo, 2012

garrafa_principal

O CEM REIS Syrah congrega em si dois aspectos que, como consumidores apaixonados pela casta, muito prezamos. Em primeiro lugar porque se trata de um Syrah de qualidade superior. Em segundo, e ao contrário do que é habitual, a maior parte da produção fica e é consumida em Portugal.

100_reis_ti_rot_2011

Em conversa telefónica com o produtor Philip Mollet, foi confirmado que 70% da toda a produção é efectivamente para o mercado interno e somente os restantes 30% é que vão para o mercado externo. Os países são a Holanda, a Alemanha e a Suíça na Europa. Fora da Europa o Brasil e também Macau.

O CEM REIS Syrah teve a sua primeira edição em 2005 com 8000 garrafas. As safras seguintes de 2007, 2008, 2009, 2010 e 2011 assistiram ao aumento gradual mas consistente da produção até se atingir as 15000 garrafas nas últimas safras e igualmente na última de 2012.O enólogo responsável é António Maçanita.

O clima que dá origem a este Syrah é típico do mediterrâneo continental ou seja, dias quentes e secos, com noites muito frias. Os solos como já é habitual para a nossa casta são muito pobres de origem xistosa ou granítica.

vinha

Diz-nos a ficha técnica que a vindima é manual e muito selectiva, feita em caixas de 20 kg. “Transporte para adega em camião de frio. Vinificação atípica para o Alentejo. Fermentações alcoólicas e malolática naturais e espontâneas; “Cuivason” de mais de 20 dias.” Estagiou 14 meses em barricas novas: 70% em carvalho francês e 30% em carvalho americano. A graduação alcoólica é de 15,0%. As notas de prova dizem-nos que possui “uma cor violeta escuro concentrado. Em relação ao aroma tem nariz exuberante, notas quentes de frutos pretos com notas mentoladas, terminando com notas a amêndoas tostada da barrica. Na boca o ataque é cheio, redondo quente e carregado de aromas. Estrutura firme com boa persistência.”

herdade

A Herdade da Maroteira está localizada no recanto da Serra D´Ossa, a 20km de Estremoz e a 35km de Évora. É uma das propriedades agrícolas pertencente a uma das famílias Anglo-Portuguesa estabelecidas na Região do Alentejo, há mais de cinco gerações. Abrangendo uma área de 540 hectares, dedica-se à preservação do montado de sobro e azinho, ao turismo, através de três unidades de alojamento, e à vitivinicultura.

Foi em 2003 que 10 hectares de vinha foi plantada numa zona de vale aberto. A escolha das castas recaiu sobre a Alicante Bouschet, Aragonêz, Touriga Nacional e Syrah. Grande parte da produção vitícola é vendida; apenas uma pequena selecção – as uvas de qualidade superior -, é aproveitada para a produção de vinho da Herdade da Maroteira.

Como dizia Ernest Hemingway “o vinho é uma das substâncias mais civilizadas do mundo, uma das coisas materiais levadas ao mais alto grau de perfeição e que oferece mais prazeres e satisfações que qualquer outra que se compre com intenções puramente sensoriais”.

E por último a grande confidência que generosamente Philip Mollet nos agraciou. Um projecto vinícola que foi pensado há 8 anos e que verá a luz este ano. A produção do Syrah que poderá ser “o Syrah de 2015” : o “MIL REIS”! No próximo mês de Março será engarrafado e ficará em garrafa durante 6 meses. Terá a data de 2013 e só se produzirão entre 3000 a 3500 garrafas. Verá o dia lá mais para o fim do ano. Que ninguém tenha dúvidas, algumas dessas garrafas virão para os editores do Blogue do Syrah.

A grande questão que se coloca é a seguinte: será capaz o MIL REIS, e tendo em conta os critérios pelos quais nos pautamos na classificação dos Syrah, conseguir a pontuação máxima, ou seja, 20 valores? Teremos que esperar até ao fim do ano para poder responder, mas todos os amantes do Syrah sairiam beneficiados se isso acontecesse…
Torcemos para que sim!

Classificação: 18/20                                           Preço: 15,00€

ft