Tag Archives: portugal

Syrah de Lisboa (36)

lisboa_syrah

Hoje apresentamos a lista dos Syrah de Lisboa, região que anteriormente fazia parte da região vinícola da Estremadura juntamente com a região do Tejo. São vinte e um no total, e como mais uma vez se pode ver, cinco já se encontram esgotados. Há nesta zona Syrah de grande nível como são os casos da Quinta do Monte d´Oiro, ou o Grand´Arte, sem esquecer o Quinta de Pancas, infelizmente já desaparecido.
Alguns deles ainda puderam ser por nós apreciados, e no caso de outros sabemos que brevemente pode haver novidades. Noutros casos, infelizmente, o ano indicado é mesmo o último, pelo menos para já…
Nos Syrah onde estiver mencionado mais do que um ano significa que os conhecemos, o que não quer dizer que não haja outros anos.

ACL, 2009
ACL, Reserva Velharia, 2009
Arruda dos Vinhos, 2009 (esgotado)
Bonifácio, 2009
Casa do Cónego, 2004 (esgotado)
Casa Santos Lima, 2009
Casal Castelão, 2007
Confraria, 2012
Cepa Pura, 2013
Cortello, 2010 (esgotado)
Cortém, 2010
D´Arada, 2007
Feitorias

Grand´Arte, 2011
Homenagem a António Carqueijeiro, Quinta do Monte d`Oiro, 1999, 2001 (esgotado)
Humus, 2010
Lybra, Monte D´Oiro, 2011
Syrah Rosé, Monte D’Oiro, 2013
Monte da Caçada, 2014
Monte do Roseiral, 2012
Mundus, Adega Cooperativa da Vermelha, 2012

Pactus, 2007
Pynga, 2012

Quinta das Hortênsias, 2008
Quinta de Pancas, 2000 (esgotado)
Quinta do Convento de nossa senhora da visitação, 2008
Quinta do Gradil, Festa das Vindimas, 2012
Quinta do Gradil, 2013

Quinta dos Plátanos, 2013
Quinta de S. Jerónimo, 2007, 2009, 2011, 2013
Reserva, Monte d´Oiro, 2004
Reserva dos Amigos, 2004  (esgotado)
Syrah 24, Monte d´Oiro, 2007 2009
Vale das Areias, 2010, 2011
Vale Zias, 2011
Vinha da Nora, Monte d´Oiro, 2000 2005 (esgotado)


 

Quinta da Romaneira, Syrah, 2012!

Acabou de sair o Quinta da Romaneira 2012 quando tínhamos indicação da direcção comercial que provavelmente isso só aconteceria no princípio do próximo ano!
Esta antecipação de datas constitui sempre uma boa notícia!

Um grande syrah em perspectiva!

Herdade dos Lagos Syrah Reserva, 2012

A Herdade dos Lagos lançou o seu novo syrah com a data de 2012.

Se vier na sequência dos anteriores a qualidade está garantida.

Não esquecer que se trata de um syrah produzido a partir de uvas de produção biológica.

Quinta da Romaneira, 100% Syrah, Douro, 2011

front

E hoje chegamos ao Douro!

Mas no Douro não há Syrah, dirão os apaixonados das tourigas! Mas há! Há poucos mas há! E são todos de recente data.

O mais relevante é este Quinta da Romaneira, do ano 2011, a terceira safra da quinta donde saíram oito mil garrafas, infelizmente já quase no fim. A primeira safra tinha acontecido em 2009 com quatro a cinco mil garrafas, a segunda no ano seguinte com a mesma produção. Nos princípios de 2015 está previsto nova safra, igualmente com oito mil garrafas.

Eis pois um Syrah de grande qualidade, assim apresentado pelo produtor no rótulo da garrafa: “Frutos vermelhos exuberantes e suculentos, com uma agradável frescura e equilíbrio. Algumas notas de especiarias e alcaçuz. Madeira bem integrada, taninos finos, final longo e persistente.” Ernest Hemingway já dizia que “o conhecimento e a educação sensorial apurada podem obter do Syrah prazeres infinitos.”

Mas impõe-se um pouco de história duma quinta várias vezes centenária, com uma linhagem ancestral que remonta ao século XVII. Uma das cinco maiores Quintas do Douro (um total de 400 hectares, sendo que 86 hectares são de vinha e 12 de olival), possui cerca de 50 km de estradas no interior da propriedade e quase 3 km de frente de rio.

Produtor de topo da região do Douro, é possuidor de algumas das maiores pontuações atribuídas a vinhos portugueses pelas mais prestigiadas revistas de vinho dos Estados Unidos, além de competições nacionais e internacionais. O vinho tinto representa 75% da produção total da Romaneira (Vinho do Porto: 20%; Branco/Rosé: 5%). Produção anual de cerca de 250.000 a 300.000 garrafas. A marca Romaneira está presente em cerca de 30 países dos cinco continentes.

Este Syrah, assim como o irmão “Labrador” da Quinta do Noval, quando surgiu logo causou imensa polémica devido ao facto reconhecido de que Syrah, como casta, é estranho ao Douro. Surgiram imediatamente os críticos acérrimos do enólogo António Agrellos, responsável pelos dois Syrah, e figura muito respeitada e conhecida no mundo dos vinhos do Porto e de mesa. Contactada a Quinta da Romaneira, falamos com um elemento da direcção comercial que nos disse que perante esta crítica a resposta oficial da Quinta foi e é sempre a mesma:
“Prove o vinho e diga-nos o que pensa”.

Nesse aspecto este Syrah cala toda a crítica, porque é de qualidade superlativa!

 

Classificação: 19/20                            Preço: 19,00€

ficha


 

Quinta de Arcossó, 100% Syrah, Trás-os-Montes, 2011

rot

Subimos um pouco mais na nossa viagem pelos syrah de Portugal e chegamos a Trás-os-Montes, região de Chaves, onde temos para vos oferecer o syrah da Quinta de Arcossó. Trata-se de um syrah único, possuidor de características que não encontramos em mais nenhum syrah em Portugal, quiçá no mundo.

0019

A quinta, do produtor Amílcar Salgado, homem duma grande disponibilidade comunicativa, possui doze hectares de vinha, produz diversos vinhos desde 2005, e está situada naquele que é considerado o local mais rico da Europa em águas minerais. Basta pensarmos nas águas Campilho, nas águas Vidago ou nas conhecidíssimas Pedras Salgadas, para além de outras que povoam toda esta região. Isto faz com que o syrah seja muito mineral, sobretudo no primeiro envolvimento na boca, sobressaindo de seguida toda a complexidade da nossa casta.

A Quinta de Arcossó está situada numa região de tradições vitícolas já muito antigas, anterior aos romanos, com um solo de origem granítica onde crescem castas adaptadas à região. Quem diria que o syrah se poderia adaptar tão bem a este “terroir”!

A História registou o seguinte pensamento dum anónimo: “ O mais humilde ser humano, ao experimentar ou oferecer um syrah, perpetua tradições milenares e realiza um acto ritual.” A produção é inteiramente artesanal, complementada por uma enologia de baixa intervenção e constante vigilância. Diz-nos o produtor que “todos os vinhos tintos são transformados com pisa a pé” e por isso recorre à enologia de Francisco Montenegro, técnico de vasta experiência.

00031

O syrah que deu origem a este texto, e que está neste momento a ser bebido pelo autor destas palavras, é de 2011, tem catorze graus e meio de graduação alcoólica, e estagiou durante dezasseis meses em barricas de carvalho francês. Diz-nos o produtor que tem “cor ruby profunda, com intensidade aromática, onde predominam bagas maceradas e especiarias com baunilha da madeira. Na boca evidencia corpo, boa acidez, sabores a fruta, taninos densos e elegantes e saboroso final.”

Esta é a terceira safra de syrah que teve um total de duas mil garrafas. A primeira safra tinha acontecido em 2007 e a segunda em 2009, com mil e trezentas garrafas cada uma. A próxima está prevista para Setembro de 2015, também com a mesma quantidade de garrafas. Produção pequena mas syrah de qualidade! Isso também origina a dificuldade em arranjá-lo. Na grande Lisboa existem dois sítios onde isso é possível: Oeiras, Néctares d`Aldeia no número 7 do Largo 5 de Outubro; Lisboa, Prazeres da Terra no número 6ª do Largo da Estefânia.

Fica a dica: Quando falarmos de grandes syrah do norte do país que ninguém se esqueça da Quinta de Arcossó. A continuidade está assegurada! Ainda bem!

Classificação: 17/20                            Preço: 10,40€

Ficha técnica


 

Syrah do Tejo (24)

santarem

Hoje apresentamos a lista dos Syrah do Tejo, zona que anteriormente fazia parte da região vinícola da Estremadura juntamente com a região de Lisboa. São dezanove no total, e como é possível verificar, estão já seis Syrah esgotados.

Possui Syrah de grande nível como é o caso da Quinta da Lagoalva de Cima, Grande Escolha ou o Quinta de S. João, sem esquecer o Quinta do Alqueve infelizmente já desaparecido.

Alguns deles ainda puderam ser por nós apreciados, e no caso de outros sabemos que brevemente poderá haver novidades. Noutros casos, infelizmente, o ano indicado é mesmo o último, pelo menos para já…

Nos Syrah onde estiver mencionado mais do que um ano significa que os conhecemos, o que não quer dizer que não haja outros anos.

 

5º Elemento, Quinta das casas altas, 2011

5 Outeiros, 2014

Bridão, Adega do Cartaxo, 2012

Cabeço Alto, 2010

Casa da Atela, 2007

Casaleiro, Reserva, Enoport, 2006 (esgotado)

Companhia das Lezírias, 2008

Dom Hermano, Quinta do Casal Monteiro, 2006 (esgotado)

Enigma, 2012

Gemelli, Rui Reguingua, Tejo, 2006 (esgotado)

Ninfa, 2003  (esgotado)

Paciência, 2003, 2007

Quinta da Lagoalva de Cima, 2010, 2000

Quinta da Lapa, 2010

Quinta de S. João, 2007

Quinta de S. João Baptista, 2009

Quinta do Alqueve, 2001 (esgotado)

Quinta do Côro, Sardoal, 2013

Quinta do Sampayo, Agroseber, 2004 (esgotado)

Quinta dos Penegrais, Reserva, 2011

Quinta Vale de Fornos, 2007 2012

Tributo, Rui Reguingua, Tejo, 2012

Vale de Lobos, 2011

Vidigal, 2008 (esgotado)